coluna

Paulo Cesar Norões: Assunto controverso

pc

Paulo Cesar Norões

Colunista de Política • pcnoroes@diariodonordeste.com.br

01:00 · 07.12.2017

A decisão da Prefeitura de Fortaleza de armar a Guarda Municipal reacende a controvérsia em torno do tema, que remonta, inclusive, à última campanha para prefeito, quando o então candidato da oposição, Capitão Wagner (PR), defendia abertamente que os guardas municipais deveriam atuar armados para auxiliar o trabalho dos policiais militares, enquanto o prefeito Roberto Cláudio, que buscava reeleição, evitava um posicionamento definitivo. Por outro lado, ao escolher Moroni Torgan como vice, RC sinalizava que armar a Guarda era, sim, uma possibilidade. Não à toa, quem assinou o convênio da Prefeitura com a Polícia Federal, na última segunda, foi o vice-prefeito, um policial federal aposentado que acumula a função de coordenador das ações de segurança que estão sendo postas em prática.

Força

Image-0-Artigo-2333847-1

Presidente da Câmara de Fortaleza, Salmito Filho (PDT), mostrou força ao lotar de apoiadores auditório do Hotel Marina, em plenária de avaliação de seu mandato. Algo que ele realiza há treze anos, ininterruptamente. Desta vez, inclusive, com a presença de alguns colegas vereadores, o que pode ser traduzido em apoio para a candidatura a deputado estadual, ano que vem, para a qual está bem cotado.

Contra

É fato que, em função do clima de insegurança, a ideia de armar a Guarda Municipal agrada a boa parte da população. Em consequência, muitos políticos vão no embalo. Vereador Acrísio Sena (PT), no entanto, vai no sentido oposto. "Sei que a violência gera medo nas pessoas, mas os estudos mostram que o caminho para a paz é o desarmamento, e não o sentido inverso", defende.

Inaceitável

Tem justificada razão o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB) ao se indignar com relatório do deputado Nelson Pelegrino (PT-BA), que cortou R$ 183 milhões em recursos para obras hídricas no Ceará, na proposta orçamentária da União, para 2018. Ainda mais ao constatar que o mesmo Pelegrino acresceu R$ 238 milhões para obras na Bahia. Literalmente legislou em causa própria.

Cirúrgico

No Brasil, 904 mil pessoas esperam por cirurgia eletiva, aquela em que o paciente pode esperar um pouco, porém, muitos já morreram. Só no Ceará são 18.434. Para amenizar a situação, o deputado estadual Sérgio Aguiar (PDT) sugere que o Estado contrate os serviços de hospitais particulares ou até mesmo planos de saúde. Segundo Aguiar, a Assembleia se dispõe a ajudá-lo nessa missão.

Criança tem vez

Vereadora Larissa gaspar (PPL) quer que a Câmara de Fortaleza seja não só a "Casa do Povo", mas também a "Casa do Pequeno Cidadão". Para tanto, deu entrada em requerimento para que seja instalado um fraldário por lá, para atender mães que participam de sessões, audiências públicas ou atendimento nos gabinetes. Espaço para trocar fraldas, limpar e até amamentar seus bebês, com privacidade.

"Eu ando nos aeroportos aí de cabeça erguida. Mas, eu acho que muitos dos senhores não têm essa coragem."

Tiririca, deputado (PR-SP), em desabafo na tribuna da Câmara Federal. Segundo o palhaço cearense, foi o primeiro e último discurso em sete anos de mandato. Ele não disputará a reeleição, em 2018.

Tem mais...

Central de Artesanato do Ceará participa da 28ª Feira Nacional de Artesanato, em Belo Horizonte. Cerca de 200 mil visitantes devem circular pelos 1.100 stands de artesãos de todo o Brasil e de outros países. Primeira-dama Onélia Leite foi lá prestigiar.

Banco Central anuncia corte nos juros pela 10ª vez consecutiva. Caiu agora para 7% ao ano - o menor nível desde 1986, quando o BC começou a calcular essa taxa. O que pode significar mais emprego, crescimento e crédito mais barato. Pelo menos é o que espera o governo Temer.

Prefeito João Paulo Xerez (PHS) esteve ontem, em Brasília, com o governador Camilo Santana e o senador Eunício Oliveira. Foi em busca de recursos para Maranguape, nas áreas da Saúde, Educação e Infraestrutura.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.