Inteligência no Ceará

Câmara repercute Centro da Polícia Federal

01:00 · 09.03.2018

O vereador Carlos Mesquita (PROS) declarou ontem, na Câmara Municipal de Fortaleza, que a instalação de um Centro de Inteligência da Polícia Federal na Capital, anunciado pelo Governo Federal na última quarta-feira (7), pode ter "impactos adversos". Segundo ele, há a possibilidade de Fortaleza passar a ser alvo de ações de contrainteligência a mando de organizações criminosas. "A partir do momento em que tivermos esse órgão, acho que elas vão querer estar por aqui para saber o que se está pensando, o que se está planejando", disse.

O vereador declarou que não é necessariamente contrário à instalação do equipamento em Fortaleza. Entretanto, para ele, a ação precisa ser acompanhada de medidas para evitar delitos de organizações criminosas no Estado visando justamente o Centro de Inteligência. Ele disse também achar estranho que outros estados não tenham reivindicado a instalação do órgão da Polícia Federal em seus territórios. "É como se todo mundo no Nordeste estivesse dizendo que não o queria", declarou.

Apesar da fala, o parlamentar ressaltou que confia no governador Camilo Santana (PT) - defensor da instalação do equipamento no Estado. Para Mesquita, no entanto, existe um paradoxo na situação de Fortaleza. "É uma coisa contraditória termos esses números da administração do prefeito Roberto Cláudio (PDT) por um lado e, por outro, termos Fortaleza como a capital do crime", argumentou.

Ministério

Ações federais também foram destacadas pelo vereador Acrísio Sena (PT). Ele, ao contrário de Mesquita, não crê nas ações de contrainteligência das facções, mas comemorou a criação do Ministério da Segurança Pública pelo Governo Federal. Segundo o vereador, isso permitirá que os governos federal, estadual e municipal pactuem as atribuições de cada esfera na área. Até agora, disse o petista, há um "jogo do empurra-empurra" de responsabilidades.

De acordo com ele, o novo órgão do governo federal vai incentivar a criação de um Sistema Único de Segurança Pública. "Assim como o SUS (Sistema Único de Saúde) produziu os agentes comunitários de Saúde, os agentes Comunitários de Endemias, um sistema desses para a Segurança produzirá o agente de Segurança Pública municipal", afirmou Acrísio Sena. Com isso, segundo ele, guardas municipais devem ser fortalecidas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.