Coligação proporcional

'Blocão' governista ganha força na base

01:00 · 19.04.2018

O impasse quanto à formatação de um "blocão" que atenda aos interesses da maioria dos partidos da base governista no Ceará está próximo do fim. Para membros das principais legendas que dão sustentação ao Governo Camilo Santana (PT), a tendência é que o chefe do Executivo convença PT e PCdoB a estarem dentro da coligação, o que fortalecerá eventual disputa à reeleição por parte do governador.

O presidente estadual do PT, Francisco De Assis Diniz, afirmou ao Diário do Nordeste que a aliança para chapa proporcional será decidida em debate interno do partido no dia 26 de maio, "preservando os interesses do nosso projeto".

"Atenderemos sem dificuldade o pedido do governador para sairmos com todos os partidos no 'chapão'. Caso contrário, podemos formar dois blocos: um comandado pelos dois maiores partidos da base, o PT e o PDT. Caso contrário, fica mantida decisão (de chapa pura) que será homologada no encontro tático do dia 26 de maio", colocou.

Um dos entusiastas da formatação do chamado "blocão" é o deputado Osmar Baquit (PDT), que desde o ano passado vem defendendo uma coligação única que, para ele, deve beneficiar o maior número possível de aliados do Governo.

Divisão

O secretário da Casa Civil, Nelson Martins, já chegou a sugerir que ao menos dois blocos sejam formados: um menor, composto por legendas de menor potencial eleitoral, e outro com os grandes partidos da base. Ao Diário do Nordeste, ele explicou apenas que ainda há muitas indefinições.

Já o deputado Audic Mota (PSB) afirmou que, na disputa proporcional, está pacificada na sigla a tese de formação de um "blocão". "Fizemos uma reunião prévia, eu e o presidente do partido (Odorico Monteiro), e decidimos que estaremos do lado que for melhor para a maioria".

O MDB, que era dúvida até pouco tempo atrás, também deve participar do "blocão", conforme informou Leonardo Araújo (MDB). "Ele aumenta de forma visível a quantidade de votos a serem apurados", justificou.

Segundo ele, em relação ao posicionamento do PT, o governador, filiado ao partido, tem muito interesse na formatação do "blocão". "O MDB está afiando, assim como PP, PSB, PDT e DEM. Acredito que isso irá se concretizar, visto que a perspectiva eleitoral é muito grande. A tendência é que todos estejam no 'blocão', inclusive, PT e PCdoB", argumentou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.