cortes

Bancada federal é responsabilizada

01:00 · 22.02.2018

Na tribuna da Assembleia Legislativa, ontem, o deputado Heitor Férrer (PSB) criticou a atuação da bancada cearense no Congresso Nacional, por não ter evitado os cortes feitos pelo Governo Federal em emendas parlamentares de 2018, que prejudicaram o Ceará em várias áreas, entre elas a Segurança.

O contingenciamento foi realizado pela União para compensar a "ajuda" de R$ 2 bilhões que deu aos municípios brasileiros que, uma vez que, diante da crise econômica, a maioria está com as contas no vermelho. Segundo Férrer, o Estado perdeu R$ 18 milhões de recursos federais na área da Segurança, "ou seja, nós estamos, com esse corte, alimentando a violência que não conseguimos dar cabo com os recursos que tínhamos, imagina com os cortes", exclamou.

Para ele, o ato do Governo Federal banaliza a violência. "Na pior fase da crise da Segurança Pública, com força-tarefa para o Estado do Ceará, para ajudar a cambaleante Governo Camilo Santana, na pior da crise, os representantes do povo em Brasília, os líderes do Estado, com raras exceções, resolvem cortar recursos da Segurança Pública em nosso Estado. Onde estão os nossos deputados federais, os nossos senadores?", perguntou.

Ele comparou a atitude do Governo Federal de enviar uma força-tarefa para o Ceará e, em seguida, cortar verbas, a uma "espingarda sem pólvora, que tem, mas não tem". Segundo Heitor, além da Segurança, outras áreas importantes, como a Educação, também foram prejudicadas.

"Entre os cortes no Ceará, o mais significativo é o da Universidade Federal do Ceará, que perdeu R$ 36 milhões. É como se fosse um assassinato da nossa universidade pública. A área da Educação perdeu R$ 50 milhões. A construção da Fiocruz, cantada em verso e prosa pelo governador, também perdeu".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.