Violência

Vereador é executado na frente da Câmara de Itaitinga

Para os investigadores, ainda é 'prematuro' apontar a motivação do crime. Político tinha passagens pela Polícia

01:00 · 01.09.2018 / atualizado às 12:21 por Nícolas Paulino - Repórter
Image-0-Artigo-2447716-1
João Roberto de Oliveira Martins, de 52 anos, era vereador e presidente em exercício da Câmara Municipal Três homens encapuzados desceram do automóvel e iniciaram os disparos contra o vereador. Ao perceber a ação, ele tentou escapar, mas foi alcançado ( Foto: José Leomar )
Image-1-Artigo-2447716-1

O presidente em exercício da Câmara Municipal de Itaitinga, João Roberto de Oliveira Martins, de 52 anos, foi alvo de uma execução sumária, no começo da tarde da última sexta-feira (31), em frente ao prédio do plenário. O corpo do vereador sofreu dez perfurações por munições de pistola calibre Ponto 40, sendo cinco delas na cabeça. O restante dos projéteis pegou nos braços e outras regiões do corpo, segundo o levantamento da equipe da Perícia Forense (Pefoce) que esteve no local do crime.

Leia mais:

> Empresário é assassinado por dupla  na Capital

Câmeras de segurança flagraram toda a ação. Por volta de 12h15, João Roberto estacionou um veículo particular Toyota Hilux, de cor preta, em frente à Câmara, na Rua João Ferreira Viana, no Centro do Município que fica na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Ele estava acompanhado de uma mulher e de outro homem, ainda não identificados. Em seguida, um veículo Fiat Palio Adventure, também preto, para ao lado. Três homens encapuzados desceram do automóvel e iniciaram os disparos contra o vereador.

Os primeiros tiros crivaram os vidros do motorista. Ao perceber a ação, o político tentou fugir pela porta do carona, de onde a mulher acabara de descer, mas dois criminosos contornaram a traseira da Hilux e continuaram os disparos, até a vítima cair na calçada. O homem que estava no banco de trás correu para o fim da rua, para pedir socorro.

Vídeo mostra momento do crime

 

Após os disparos, os assassinos embarcaram no Palio e saíram em disparada. A mulher correu para dentro da Câmara. Segundo a Polícia, ela sofreu uma lesão no pé, foi encaminhada para uma unidade de saúde e não corre risco de morte. Ela foi chamada para prestar depoimento à Polícia Civil ainda na sexta (31).

Segundo o diretor do Departamento de Polícia Metropolitano (DPM), Jocel Dantas, é "muito prematuro" apontar a motivação ou os suspeitos de cometer o assassinato. O investigador afirma que a Polícia já identificou a placa do veículo Palio, mas preferiu deixar em sigilo, para não atrapalhar as investigações. Imagens de câmeras de monitoramento de Itaitinga e arredores também seriam checadas para descobrir a rota dos criminosos.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) declarou que equipes das polícias Civil e Militar estão em diligências para capturar os responsáveis pelo homicídio. "A Polícia Civil investiga o crime com o intuito de identificar e prender os autores, bem como, descobrir a motivação do homicídio", concluiu.

Antecedentes criminais

João Roberto era natural de Mauriti, no Sul do Estado (a cerca de 500km de distância de Fortaleza). Filiado ao Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), estava no quarto mandato como vereador de Itaitinga. No último pleito, em 2016, ele foi eleito com 1.025 votos. A vítima completaria 53 anos no próximo dia 30 de setembro.

Apesar da vida pública, o parlamentar tinha diversas passagens pela Polícia. João Roberto respondeu a inquéritos por ameaça, porte ilegal e disparo de arma de fogo, calúnia e violência doméstica e familiar contra a mulher - enquadrado na Lei Maria da Penha - conforme apurou a reportagem. Em junho de 2014, ele foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Eusébio, por porte ilegal de arma. À época, ele afirmou que utilizava o revólver para defesa pessoal.

Homicídios

Conforme dados da SSPDS, pelo menos 334 pessoas foram vítimas de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) - homicídios, latrocínios ou lesões corporais seguidas de morte - no mês de agosto, até o último dia 30, em todo o Estado. O número tende a aumentar quando a Pasta consolidar os dados. Em igual período do ano passado, 460 pessoas foram mortas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.