medida de segurança

TJCE troca placas dos carros oficiais

01:00 · 16.03.2018
TJCE
Conforme o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), a iniciativa foi adotada, temporariamente, por orientação da Assistência Militar do órgão ( Foto: José Leomar )

As placas oficiais dos carros disponibilizados aos magistrados do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) foram substituídas, sob a justificativa da Instituição que é uma medida para garantir a segurança dos desembargadores. Conforme o Tribunal, a iniciativa foi adotada, temporariamente, por orientação da Assistência Militar do órgão.

As placas pretas foram retiradas e os veículos passaram a circular com placas da cor cinza, sem identificação oficial. Também de acordo com o Tribunal, isso já aconteceu outras vezes. A medida foi adotada no início desta semana. Outros estados, como o Rio de Janeiro, também adotaram a troca.

O presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus-CE), Luciano dos Santos Júnior, considerou a atitude como positiva, e ressaltou que a medida deve ser estendida aos outros servidores da Justiça. "Nós consideramos louvável qualquer atitude que vise resguardar segurança de qualquer servidor. Esperamos também que ações de segurança sejam implementadas pelo Tribunal, visando a segurança dos oficiais de Justiça, porque nós que estamos diretamente nas ruas fazendo inspeções e intimações", disse o presidente do Sindicato.

Riscos

A assessoria do Sindojus-CE acrescentou que os servidores da categoria cumprem mandados nos seus carros particulares, e sem nenhum tipo de proteção por parte do Governo Estadual. "É um trabalho externo. Muitas vezes eles acabam sendo alvo da violência urbana e rural. A situação é bem delicada, ainda mais depois do término do acordo de paz entre as facções", informou a assessoria do Sindicato dos Oficiais de Justiça.

Para cada desembargador do TJCE há um carro oficial, na cor preta, com um motorista durante o serviço. Luciano dos Santos disse desconhecer se os veículos usados pelos desembargadores são blindados. O TJCE também não se pronunciou sobre isso.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.