Investigação

Suspeitos de tentar matar PM capturados

01:00 · 28.03.2018

Três homens foram capturados, na noite da última sexta-feira (23), suspeitos de terem participado de uma tentativa de latrocínio contra um policial militar, no dia 21 deste mês. Em depoimento, o trio confessou a participação no crime.

De acordo com a Polícia Civil, o roubo aconteceu no bairro Tabapuá, em Caucaia. O trio chegou na sucata do subtenente portando um pistola de fabricação caseira no intuito de saquear a arma do militar. Na ação, os criminosos atiraram várias vezes contra o PM, tendo o atingido no rosto, no tórax e no pé. Além do armamento, o celular do suboficial também foi roubado.

Segundo o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Renato Almeida, os suspeitos se esconderam em um manguezal próximo ao local do crime. Dois dias após o atentando, a Polícia Civil apreendeu um adolescente de 17 anos, suspeito de ter participado da ação. Além dele, João dos Santos da Silva, 18, e Wellington Lima do Nascimento, 22, também foram capturados.

Os investigadores afirmam que o adolescente e João Silva teriam sido os responsáveis por atirarem contra o PM, enquanto Wellington Nascimento deu apoio ao roubo.

Os três afirmaram que a arma do policial está no poder dos líderes da facção criminosa da qual fazem parte, e que o celular havia sido jogado em um córrego. Segundo eles, o objetivo do crime era vender os objetos e repartir o dinheiro.

A pistola utilizada pelos criminosos foi apreendida e encaminhada ao 18° DP (Jurema), em Caucaia. A Polícia Civil descarta outros envolvidos na ação e diz que continuará investigando o caso. Wellington Nascimento era o único que tinha antecedentes criminais. Em seus registros, pesa um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

A Polícia Civil confirma que o militar continua hospitalizado e em observação, e que na tarde de ontem, ele saiu da UTI do IJF, descartando, então, o risco de morte do PM por conta dos ferimentos por arma de fogo. (Colaborou Itallo Rocha)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.