assédio

Sindiônibus recebeu seis denúncias

01:00 · 10.09.2018

A luta pelo combate ao assédio dentro dos coletivos inclui participação direta do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus). Neste ano, de janeiro a agosto, o Sindicato recebeu apenas seis denúncias relacionadas ao crime de teor sexual.

> Assédios dentro dos coletivos: crime persiste  e preocupa
 
O número é baixo frente aos relatos constantes de vítimas, no entanto, se destaca quando comparados iguais períodos dos anos anteriores. Em iguais espaços de tempo dos anos de 2016 e 2017, o Sindiônibus não registrou nenhuma ocorrência deste tipo.

Para o Sindicato, a campanha com o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE) fez com que as mulheres tivessem coragem para expor o problema. A gerente administrativa do Sindicato, Maria José Luz, ressaltou saber que o número de ocorrências é maior e reiterou que os casos não devem ser silenciados.

"Todos esses seis casos chegaram até nós por meio do canal Alô Sindiônibus. Nós divulgamos que as vítimas acionem o 190 para seguir com a investigação. Nesses seis casos há colaboradores (das empresas) suspeitos, mas a maioria é formada por outros passageiros. Procuramos verificar as imagens das câmeras dos coletivos, quando constatados casos que envolvam funcionários, eles podem até ser demitidos", contou.

A gerente administrativa afirmou que, a fim de coibir assédios e auxiliar a Polícia quando há investigação, há um operador do Sindiônibus que trabalha diretamente junto à Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops): "Uma vez que autoridades policiais solicitam essas imagens, fornecemos".

Sobre o treinamento ofertado aos motoristas e cobradores para lidarem com o fato na prática, Maria José da Luz acrescentou que há um trabalho de forma padronizada e específica para que as testemunhas sejam sensíveis a essas ocorrências.

"Em caso de assédio no transporte coletivo, o motorista pode direcionar o veículo a uma Delegacia mais próxima e ceder o telefone para a vítima acionar a Polícia. Repudiamos estes ocorridos", destacou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.