Em confronto com BPRaio

Sequestrador está entre os mortos

01:00 · 07.07.2018 / atualizado às 01:11
1
O único dos acusados ligados diretamente com o sequestro do empresário potiguar, era Ezequiel Leitão. Ele era foragido a Justiça desde 2001

O homem morto no confronto com o Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) é Ezequiel Serafim Leitão, foragido da Justiça desde 2001. Ele é um dos acusados de arrebatar o empresário Fábio Porcino Júnior, de dentro de uma revendedora de veículos, em Mossoró, no ano de 2013. A vítima foi resgatada pela Polícia em uma barraca de lona, em uma fazenda, em Canindé. 'Kel' era o único dos envolvidos diretamente na ação que nunca havia sido capturado.

A quadrilha era comandada por José Wilson Trajano de Freitas. O criminoso foi um dos primeiros integrantes do Primeiro comando da Capital (PCC) a agir no Ceará e, além de sequestrador, também era apontado pela Polícia como pistoleiro. Durante uma troca de tiros com policiais, na BR-116, sofreu uma lesão, que o deixou meses com a mobilidade comprometida. Mesmo em uma cadeira-de-rodas, não deixou de ser 'chefe' do crime na Região Jaguaribana.

> Dois confrontos com a PM terminam em morte

A última prisão de Wilson Trajano aconteceu em Macapá, no Estado do Amapá, em uma operação da Polícia Federal. Além dele, José Carlos Anastácio Leitão e Rivelino Raquel Filho cumprem pena pelo sequestro do empresário potiguar.

"O Ezequiel teve uma vida relativamente melhor que a dos comparsas dele. Passou muitos anos desfrutando de uma espécie de 'liberdade de mentira'. Estava fora da prisão, mas tinha uma série de mandados em aberto. Era livre, mas nem tanto. Depois desse sequestro do Fabinho Porcino, a quadrilha foi presa, e ele ficou meio perdido. Deu uma parada para não se expor, mas nunca deixou de se envolver em ações criminosas. Vez por outra o nome dele surgia em depoimentos", disse um policial civil, que preferiu não se identificar.

Outro 'Kel'

O investigador lembra que a caçada a outro criminoso conhecido como 'Kel', acabou por fazer 'abafar' Ezequiel Leitão. O outro 'Kel' é Zaqueu Rodrigues de Sousa, parceiro de Ednaldo Evangelista da Cunha, o 'Mel'. "Quando se fala de 'Kel', imediatamente remetemos ao 'Mel'. O Ezequiel acabou sendo beneficiado por ter um homônimo de apelido, por assim dizer", declarou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.