Participação em ataques

Seis detidos e três mortos pela PM

01:00 · 26.03.2018
Image-0-Artigo-2379604-1
Seis pessoas foram detidas suspeitas de participarem da série de ataques em Fortaleza ( FOTO: JL ROSA )

Seis suspeitos de participação nos ataques a coletivos na noite do último sábado (24) foram presos, segundo informações da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) divulgadas na tarde de ontem. Três deles são acusados de envolvimento nos disparos contra a sede da Empresa de Transportes Urbanos de Fortaleza (Etufor).

Logo após a série de ataques de sábado, policiais militares conseguiram prender Daniel Vanderlei de Freitas Costa, 24, e Antônio Elton Lopes Cassiano, 29, que possui passagens pela Polícia por roubo, porte de arma de fogo e identidade falsa, foram flagrados, na Rua Castro e Silva. Já Igor Victor da Silva Fernandes, 19, foi preso na Rua Padre Mororó. Eles estavam com galões de gasolina.

A SSPDS determinou o reforço no policiamento, inclusive com apoio de helicópteros da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). Uma reunião entre a cúpula da Segurança Pública e representantes da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) e do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) foi realizada, ainda na última noite de sábado, para traçar as ações para a segurança dos veículos, profissionais e passageiros.

Confronto

Ainda na madrugada de sábado, três homens que atacaram a sede da Secretaria da Justiça (Sejus) morreram em confronto com policiais militares. No local, foram apreendidas uma granada (M3), quatro carregadores de pistolas, além de uma pistola calibre 9mm. Os outros criminosos estão sendo procurados.

LEIA AINDA:

> Onda de ataques causa apreensão na Capital
> Camilo: ‘Isso é uma guerra,que não tenho dúvida que vamos vencer'
> Ônibus vão seguir com escolta, diz Prefeitura
> Passageiros sofrem com frota reduzida nas ruas
> Ações criminosas também em Sobral e Cascavel

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.