Desarticulada

Quadrilha atacava clientes que saíam de supermercados

Segundo a Polícia Civil, os presos têm ligações com uma facção. Houve confronto com policiais durante a abordagem

Delegados Rommel Kerth, Diego Barreto e Osmar Berto deram detalhes da investigação que resultou na prisão dos quatro suspeitos de praticarem os assaltos a clientes de supermercados da Capital ( Foto: Saulo Roberto )
01:00 · 20.06.2018

Uma operação policial resultou na prisão de uma quadrilha que agia nas imediações de supermercados em bairros da Zona Sul da Capital. Os homens observavam as vítimas dentro de estabelecimentos comerciais e quando saíam roubavam joias, relógios e aparelhos celulares. Na última sexta-feira (15), uma ação conjunta das delegacias de Roubos e Furtos (DRF), de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC) e da Divisão Antissequestro (DAS), culminou nas prisões em flagrante de quatro suspeitos de praticarem os assaltos nos bairros Cambeba e Cidade dos Funcionários. Em coletiva de imprensa na manhã de ontem, a Polícia afirmou que os homens possuem ligações com facções criminosas. 

Equipes da DRF, DRFVC e da DAS começaram as investigações e realizaram ações nas imediações da Avenida Washington Soares. Conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), na ação realizada na noite da última sexta-feira (15), os policiais observaram um veículo Pajero cor prata, que pertencia a uma das vítimas, sendo acompanhado por um carro Fiat Siena, de cor branca. Em seguida, os investigadores também perceberam que uma motocicleta dava apoio à ação criminosa. A partir da suspeita, os policiais deram início a uma perseguição aos criminosos.

As equipes policiais fizeram a abordagem e deram voz de parada, mas os homens não obedeceram e houve troca de tiros. Durante fuga, o motoqueiro abandonou seu veículo na via e fugiu em direção a um matagal. Os ocupantes do Siena continuaram em fuga pela Avenida e chegaram a efetuar disparos contra policiais civis. 

Após confronto, todos foram capturados e autuados em flagrante por organização criminosa, roubo e tentativa de homicídio. Com eles foram apreendidos, o Siena, a motocicleta, uma arma de fogo e um aparelho celular. 

“Eles frequentavam supermercados da região da Aldeota, Cambeba, Eusébio e Luciano Cavalcante. Os criminosos iam a esses estabelecimentos comerciais com o objetivo de identificar vítimas com objetos de valor. Após a identificação, eles utilizavam uma motocicleta e um carro de apoio onde faziam as abordagens e praticavam os assaltos. Temos relatos de vítimas que foram abordadas na porta de casa. Os assaltantes também costumavam, em alguns casos, entrar nas residências e roubar outros objetos de valor encontrados nas casas”, revelou o delegado Diego Barreto, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas. 

Segundo Barreto, foram capturados durante a ação criminosa, os homens identificados como Davi Ferreira da Silva, 20, sem antecedentes criminais; Antônio Mayk Carvalho Ribeiro, 22, com passagem pela Polícia por posse ilegal de arma de fogo; Felipe Costa, 23, com passagem pela Polícia por roubo e porte ilegal de arma de fogo; e Luan Michael Holanda Cabral, 22, que já havia sido preso por posse ilegal de arma de fogo. Segundo a Polícia Civil, o grupo tem envolvimento com ações que aconteceram nos últimos dois anos. 

Após as diligências, a Polícia descobriu que o veículo Siena não era só utilizado para ações criminosas, mas também estava cadastrado para fazer corridas por meio de um aplicativo de transporte particular. “Um deles era cadastrado em um aplicativo de transporte, com isso ele utiliza o serviço para fazer o levantamento de algumas vítimas das áreas de roubo. São indivíduos que já possuem antecedentes criminais. Alguns já foram identificados por algumas das vítimas”, declarou Diego Barreto. 

A Polícia Civil diz ter confirmado que a quadrilha estaria por trás do roubo de quatro relógios das marcas Rolex e Cartier. Juntas, as peças são avaliadas em, aproximadamente, R$ 50 mil. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.