Áreas Integradas de Segurança

Policiamento nas áreas mais violentas já foi reforçado, diz SSPDS

01:00 · 05.02.2018

As Áreas Integradas de Segurança (AISs) 7 e 5, onde foram registrados mais homicídios e roubos respectivamente, receberam reforço no efetivo policial, ainda no fim do ano passado, de acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). "As AISs 5 e 7, bem como as demais, tiveram seu policiamento ostensivo reforçado com a formação dos 2.655 novos policiais militares, nos meses de outubro e dezembro de 2017", informou a Pasta.

Conforme a nota enviada pela equipe da Secretaria, a terceira turma de novos profissionais de Segurança está em formação na Academia Estadual de Segurança Pública (Aesp) e será nomeada, em breve, e deve fortalecer o patrulhamento. "Além disso, 730 policiais civis passam por formação também na Aesp. A nomeação desses profissionais possibilitará o incremento de efetivo, dando mais capilaridade à Polícia Judiciária cearense".Segundo a SSPDS, 14,41% dos homicídios registrados na AIS 7, em 2017, foram solucionados pela Polícia, ou seja, 33 dos 267 casos; e 846 suspeitos foram presos pelos diversos crimes cometidos na região, o que resultou em um crescimento de 53,5% no número de detenções realizadas.

> Homicídios, roubos e furtos deixam a Capital cearense acuada pelo medo  

"Outros números positivos que mostram a atuação das Forças de Segurança na região são as apreensões de drogas, com 444,8Kg de entorpecentes, em 2017. Isto corresponde a um acréscimo de 163,4%, pois em 2016 foram apreendidos 168 quilos de ilícitos na região. Já as armas de fogo, foram 356 apreensões em 2017, contra 182 em 2016, com o aumento de 95,6%", acrescentou a Pasta.

Estratégia

Em relação ao número expressivo de roubos registrado na AIS 5, a SSPDS disse que o índice de CVPs caiu nos últimos meses do ano passado. Foram registradas 500 ocorrências no mês de setembro; 460, em outubro; 451, em novembro; e 348, em dezembro. Ainda conforme a Secretaria, foram efetuados 673 autos de prisão e apreensão, na Região, em 2017, contra 586 em 2016, correspondendo a um aumento de 14,8%.

De acordo com a Pasta, o decréscimo na quantidade de roubos e o acréscimo no número de prisões são resultados de uma estratégia que envolve reuniões entre representantes das Polícias Civil e Militar da região e o trabalho ostensivo realizado por equipes do Policiamento Ostensivo Geral e dos Batalhões de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) e do BPChoque.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.