Transporte público

Passageiros sofrem com frota reduzida nas ruas

01:00 · 26.03.2018
Image-0-Artigo-2379643-1
Nos terminais de ônibus dos bairros Antônio Bezerra e Papicu, passageiros esperavam, sem previsão, para seguir viagem ( FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES )

Em algumas paradas de ônibus nas principais vias da cidade, pessoas aguardaram cerca de uma hora por determinadas rotas

O número reduzido de ônibus causou transtornos ao fortalezense que precisou utilizar transporte público ontem. O temor, por conta dos ataques criminosos que tiveram os veículos urbanos como um dos alvos, fez as empresas reduzirem as frotas. O resultado foram passageiros aflitos, sem saber como nem quando iriam para casa no domingo.

A reportagem percorreu alguns pontos da Capital e observou a movimentação, na noite de ontem. Poucos ônibus circularam pela cidade.

Em algumas paradas de ônibus nas principais vias, pessoas aguardaram cerca de uma hora por determinadas rotas. Mesmo nos terminais, os relatos eram de longas esperas.

LEIA AINDA:

> Onda de ataques causa apreensão na Capital
> Ações criminosas também em Sobral e Cascavel
> Camilo: ‘Isso é uma guerra,que não tenho dúvida que vamos vencer'
> Ônibus vão seguir com escolta, diz Prefeitura
> Seis detidos e três mortos pela PM

Recolhimento

No Terminal do bairro Antônio Bezerra, a informação obtida junto a funcionários era que as empresas haviam recolhido alguns veículos. "A frota está reduzida", comentou uma pessoa lotada no equipamento.

Naquele terminal, várias patrulhas da Polícia Militar estavam a postos. "Dependendo da linha, e do horário, o ônibus só sai daqui num comboio, escoltado pela Polícia", relatou um funcionário do local.

Em alguns casos, linhas sobrepostas, isto é, com itinerários semelhantes, não rodaram. Os relatos eram que, por exemplo, as linhas 081 (Conjunto Ceará) e 122 (Álvaro Weyne) não circularam ontem, sendo o público atendido pelos veículos que faziam trechos parecidos.

Na Praça do Sagrado Coração de Jesus, na Avenida Duque de Caxias (Centro), não havia nenhuma movimentação, na noite de ontem. O local estava deserto, sem veículos nem passageiros. As ruas do bairro também não tinham fluxo de coletivos, o que levou os populares a recorrem a outras alternativas de transporte. Conforme um taxista, a demanda pelo serviço aumentou após os ataques.

O fechamento dos postos de combustíveis no feriado da Data Magna do Estado teria sido outro fator apontado pelos motoristas para o crescimento na demanda por táxi, ontem.

Papicu

No Terminal de ônibus do bairro Papicu, a reportagem presenciou vários coletivos parados. Conforme funcionários, algumas empresas recolheram veículos, reduzindo a frota, que já é enxuta nos dias de domingo.

Ainda de acordo com uma pessoa que trabalha no local, mas não quis se identificar, os ônibus estariam rodando "de acordo com a demanda", sendo os veículos deslocados a depender do tamanho da fila que se formava nas plataformas.

"Levamos uma hora esperando no Terminal da Messejana, agora chegamos aqui, e as pessoas dizem que estão esperando há 30 minutos. É complicado para a gente. Que horas vou chegar em casa hoje?", disse um passageiro, que aguardava em uma fila e não quis se identificar.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.