Após ameaças

Travesti é assassinado por suposto agenciador

Antes de morrer, Francisco Robson, também conhecido por "Bianca" disse para os outros travestis que estava sendo ameaçado de morte. Outras pessoas também estariam na lista do acusado.

18:33 · 20.03.2015
foto01
A vítima tinha 21 anos de idade e se prostituía no local onde foi assassinada por um suposto agenciador ( Sara Sousa )

Uma travesti foi executada com disparos de arma de fogo  quando estava na Avenida Juscelino Kubitschek, no bairro Passaré, na tarde desta sexta-feira (20). A vítima, identificada como Francisco Robson Caetano Elias, de 21 anos de idade, mais conhecida como Bianca foi morta na presença de amigos.

De acordo com a Polícia, Bianca estava na avenida junto com outros travestis, em um ponto de prostituição, quando, por volta das 16h, dois homens em um veículo Gol, de cor  preta, passaram e efetuaram vários disparos. A vítima teve morte imediata.

O delegado Bruno Montagnolli, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local do crime com uma equipe de inspetores realizando os primeiros levantamentos sobre o crime. De acordo com a Polícia,  há indícios de que o crime tenha sido motivado por 'cafetinagem'. Um suposto agenciador, principal suspeito de ter cometido o crime, está sendo procurado pela Polícia. 

Segundo as testemunhas e amigas da vítima, antes de ser assassinada, Bianca havia informado que estava recebendo  ameaças de morte do suspeito. Outro travesti (identidade preservada) informou que já foi vítima de espancamento pelo mesmo homem e que também estaria sendo ameaçado de morte. 

Conforme os travestis que fazem ponto no local, o suspeito se denomina o "dono" do ponto e obriga que os travestis trabalhem e paguem um 'pedágio' para ele. A vítima trabalhava todos os dias na avenida no período da manhã e da tarde. O caso está sendo investigado pela DHPP e pelo 8º DP (José Walter). 

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.