Subtenente e esposa fazem reconstituição da noite do crime - Polícia - Diário do Nordeste

Caso Lewdo Ricardo

Subtenente e esposa fazem reconstituição da noite do crime

Sob gritos de assassina, CristianeRenata Coelho Severino entrou na residência

17:06 · 22.12.2014
Movimentação é intensa em frente à casa onde morava Francilewdo e Cristiane ( Jéssika Sisnando )
População pede Justiça no local onde reconstituição é feita ( Jéssika Sisnando )

Atualizada às 20h02.

Após quatro horas, o subtenente do Exército Francilewdo Bezerra Severino, 45, e a esposa Cristiane Renata Coelho Severino, 41, terminaram a reconstituição da noite em que o filho do casal, Lewdo Ricardo, de 9 anos, foi assassinado. Os dois chegaram às 16h45 na casa onde moravam, no Conjunto Napoleão Viana, no bairro Dias Macêdo. Os dois apresentaram suas versões separadamente. Sob gritos de assassina, Cristiane entrou na residência acompanhada do advogado e deu várias voltas na rua antes de descer do veículo devido ao grande movimento. 

Já o subtenente conversou novamente com a imprensa ao chegar à casa onde morava. Francilewdo relembrou o que fez no dia do crime. Ele relatou que pegou os filhos na escola, foi ao supermercado e afirma não recordar do que comeu ou bebeu naquele dia.

Para iniciar a reconstituição, a Polícia precisou isolar a área.O delegado que investiga o crime, Wilder Brito Sobreira, também estava presente e ressaltou a contradição nos depoimentos. 


Acareação dura mais que o previsto 

Cristiane e Francilewdo fizeram, também nesta segunda-feira (22), uma acareação. Os dois ficaram frente a frente pela primeira vez após o crime no 16º Distrito Policial, no bairro Dias Macêdo. O procedimento durou mais que as 4h previstas.

O diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, Jairo Pequeno, acompanhou a acareação e relatou que houve muita emoção e até um intervalo para que o subtenente tomasse um medicamento. Conforme o diretor, o casal ficou bastante emocionado ao ver as fotos apresentadas pela Perícia.

Entenda o caso

A criança morreu após ingerir um agrotóxico proibido, conhecido como 'chumbinho', no último dia 10 de novembro, data em que o subtenente entrou em coma, estado em que permaneceu por nove dias também devido à intoxicação pela substância. Ele chegou a ser preso em flagrante, acusado do crime, mas teve a prisão relaxada pela Justiça. A esposa, Cristiane Renata Coelho Severino, 41, acusa o marido de tê-la obrigado a ingerir vinho com tranquilizantes antes de agredi-la.

*Com informações da repórter Jéssika Sisnando

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.