Crime na Aldeota

Seis homens são presos após tentativa de arrombamento a caixa eletrônico

O bando forjou uma falha mecânica no carro com o objetivo de observar o local onde seria realizado o delito. Dois suspeitos usavam farda da Polícia Militar

17:00 · 09.04.2018 / atualizado às 23:07

Seis homens foram presos, na noite da última quinta-feira (6), suspeitos de tentar arrombar um caixa eletrônico dentro de um prédio de uma cooperativa médica, no bairro Aldeota. Ao receber uma denúncia anônima, a Polícia Civil desarticulou a quadrilha especializada, antes que a ação criminosa fosse concretizada. Dois suspeitos usavam farda da Polícia Militar.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Ricardo Romagnoli, a quadrilha de massariqueiros se reunia no bairro Quintino Cunha, no intuito de planejar a realização dos delitos. Carlos Eduardo Silva de Almeida, 22, e Gleidson Alisson Oliveira Medeiros, 30, vestiram-se com o fardamento da Polícia Militar (PM). Ao chegarem ao local do crime, eles forjaram uma falha mecânica no carro em que estavam e pediram aos seguranças para estacionarem o automóvel, até que conseguissem resolver o problema. 

Os investigadores foram informados de que os suspeitos passaram, em média, 30 minutos no interior do prédio, tendo, inclusive, pedido para irem ao banheiro interno, com o objetivo de fazer um levantamento do local. Na diligência, os suspeitos trocaram tiros com os policiais. 

Na operação, os policiais civis da DRF efetuaram a prisão de Carlos Almeida, Gleidson Medeiros, além dos comparsas, identificados como Jamerson Pereira da Silva, 26; Antônio Inácio Oliveira Santos, 30; Luis Fernando Andrade de Sousa, 30; e Antônio Rodrigo Pastora Lima, 23. Este, no momento da captura, portava duas pistolas calibre .40. 

O delegadol informou que continuará investigando o caso para saber se há outros integrantes envolvidos na prática criminosa. O grupo responderá por furto qualificado, associação criminosa e tentativa de homicídio. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.