Nesta terça (4)

Prefeito de Santana do Acaraú se entrega à Polícia seis dias após morte de ex-servidor

A Justiça já decretou a prisão temporária de Marcelo Arcanjo

O policial federal aposentado Marcelo Arcanjo, 60, foi eleito prefeito de Santana do Acaraú em 2016
14:04 · 04.09.2018 / atualizado às 19:12
Durante coletiva nesta terça-feira (4), o delegado Marcos Aurélio, diretor do Departamento de Polícia do Interior, apresentou detalhes do depoimento do prefeito de Santana do Acaraú ( Foto: Rodrigo Gadelha )

O prefeito de Santana do Acaraú, Marcelo Arcanjo, se entregou à Polícia Civil nesta terça-feira (4), seis dias depois de supostamente ter assassinado um ex-servidor da Prefeitura da cidade. A informação foi confirmada pelo Departamento de Polícia do Interior Norte (DPI-Norte).

Arcanjo chegou acompanhado de um advogado, já prestou depoimento e se encontra encarcerado. Ele se livrou da prisão em flagrante, mas sua prisão temporária já havia sido decretada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE) na última sexta-feira (31).

Durante coletiva nesta terça-feira (4), o delegado Marcos Aurélio, diretor do Departamento de Polícia do Interior, informou que Marcelo Arcanjo tinha direito ao porte de arma de fogo por ser policial federal aposentado.  O prefeito de Santana do Acaraú teria descartado a arma do crime em um rio. O objeto ainda não foi encontrado pela Polícia.

Testemunhas ouvidas durante a investigação alegaram ter sentido cheiro de bebida alcóolica vindo de Arcanjo pouco antes do assassinato, mas o suspeito nega a informação. 

>> Moradores de Santana do Acaraú organizam caminhada pela paz

Ainda segundo o delegado, o crime teve relação com a política. Em depoimento, o prefeito afirmou que o ex-servidor espalhava informações falsas sobre ele desde que havia sido exonerado do cargo que ocupava na gestão. "Tem relação com a política. A vítima se sentia desprestigiada pelo tratamento que o gestor deu a ele. Achava que tinha sido injustiçado porque foi demitido. E por essa razão criticava a gestão. Além da crítica havia o comentário da vítima que a primeira dama teria recebido R$ 10 mil em propina. Isso enfureceu o autor e foi até a casa da vítima para tomar satisfações da crítica", detalhou o delegado Marcos Aurélio.

Marcelo Arcanjo também alegou em depoimento que atirou contra a vítima após ter sido agredido por ela. A versão contada pelo prefeito, no entanto, não foi citada por nenhuma das testemunhas ouvidas pela Polícia. 

Relembre o caso

O crime ocorreu na última quarta-feira (29), no bairro Retiro. Por volta das 18h30, Marcelo Arcanjo teria entrado na casa de Augusto César do Nascimento, conhecido como 'César da Regina', e disparado várias vezes contra o homem, na cabeça. Após a execução, o prefeito fugiu.
 
Augusto trabalhou  como motorista da Secretaria Municipal de Ação Social do município e, conforme a Polícia, foi exonerado do cargo há cerca de seis meses. 
 
Raimundo Marcelo Arcanjo tem 60 anos, é policial federal aposentado e foi eleito em 2016, pelo MDB, prefeito de Santana do Acaraú, município onde nasceu, com 52,27% dos votos válidos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.