Caldas Novas

Piloto de helicóptero do PCC é preso em Goiás

Felipe Ramos Morais é acusado de participação na morte dos líderes da facção "Gegê do Mangue" e "Paca"

O piloto foi capturado na manhã desta segunda-feira (14) ( Foto: Divulgação/Polícia Civil )
18:21 · 14.05.2018 / atualizado às 19:55
Felipe Ramos negociava delação premiada com a Delegacia de Combate às Ações do Crime Organizado ( Foto: Divulgação/ SSPDS )

O piloto do helicóptero da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), Felipe Ramos Morais, foi preso em um condomínio de luxo, na manhã desta segunda-feira (14) no município de Caldas Novas, em Goiás, por volta de 11h. 

O piloto é acusado de ter participado da morte dos líderes do PCC Rogério Jeremias de Simone, o "Gegê do Mangue", e Fabiano Alves de Souza, o "Paca", no dia 15 de fevereiro deste ano, na reserva indígena Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz. 

Felipe Ramos negociava delação premiada com a Delegacia de Combate às Ações do Crime Organizado (Draco), mas o Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil de Goiás o encontrou primeiro.

Leia também

>Líderes do PCC moravam há um ano em condomínio de luxo no Ceará
>Cúpula do PCC gastou R$ 8,5 milhões em carros e imóveis ao chegar no Ceará
>Helicóptero com cúpula do PCC decolou da Praia do Futuro

Piloto nega ligação com integrantes do PCC

Em entrevista exclusiva ao Diário do Nordeste, publicada no último dia 3 de maio, Felipe Morais, apontado como membro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), afirmou que não mantinha contato com nenhum dos integrantes do grupo e que a relação era apenas profissional, ressaltando que estava com medo de estar jurado de morte. O piloto declarou ainda que colaborava com a Polícia Civil nas investigações sobre as mortes de 'Gegê do Mangue' e 'Paca' por meio de sua advogada, que levava as explicações do caso por escrito em troca da liberdade do cliente.

Aeronaves e lanchas do piloto são apreendidas

Três aeronaves  e duas lanchas que pertenciam a Felipe Morais foram apreendidas pela Polícia Civil. Conforme apurou a reportagem, a localização dos veículos foi indicada pelo prório piloto, por meio de sua advogada. 

Um dos helicópteros utilizados no duplo homicídio foi apreendido no dia 1° de março. Uma aeronave - modelo EC 130, de cor vermelha, avaliada em R$ 2,5 milhões e com sete lugares - foi encontrada em uma área de mata em Fernandópolis, Interior de São Paulo, em uma operação do Deic. Na mesma operação, o segundo helicóptero foi localizado em um hangar no ABC paulista. Também foram apreendidas duas lanchas pertencentes ao piloto, que estavam nas marinas de Guarujá e Santos. A terceira aeronave foi apreendida em uma outra ação policial realizada em São Paulo que visava o combate da rota do tráfico internacional de drogas, em Arujá (SP), no último dia 25 de abril.

Segundo informações dos investigadores da Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes (Dise), o piloto procurado pela polícia cearense é o coordenador de rotas aéreas da organização criminosa.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.