Incêndio

MST denuncia ataque criminoso a acampamento em Quixeramobim

Três homens armados incendiaram pelo menos cinco barracos, em um acampamento com a presença de 80 famílias

13:38 · 14.05.2018
MST
Pelo menos cinco barracos foram queimados por três homens armados ( Foto: Divulgação/ MST )

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) denunciou, em nota no site oficial, um ataque criminoso a um acampamento, com 80 famílias, em Quixeramobim (a cerca de 246 km de distância de Fortaleza). Três homens armados incendiaram pelo menos cinco barracos, na noite da última sexta-feira (11).

O alvo do trio foi o Acampamento Joel do Nascimento, que fica localizado em uma fazenda no distrito de Passagem. Segundo a dirigente estadual da brigada do MST em Quixeramobim, Iane Braga, todas as famílias que vivem no local foram prejudicadas e perderam roupas, dinheiro e documentos, devido as chamas.

Na nota, o Movimento afirmou que "as famílias viveram momentos de muita  tensão". "Além de disparar com armas de fogo indiscriminadamente pelo acampamento, os pistoleiros atearam fogo em cinco barracas. Ninguém ficou ferido, mas, de acordo com informação das famílias, eles (criminosos) prometeram voltar para 'terminar o serviço'", completou.

A reportagem questionou a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) sobre a ocorrência, mas não recebeu resposta até o momento.

Confira nota do MST na íntegra:

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) vem a público repudiar a violência sofrida pelas famílias do Acampamento Joel do Nascimento em Quixeramobim, Ceará.  

Na noite desta sexta-feira (11), três homens fortemente  armados invadiram o acampamento que fica localizado na Fazenda Serrote distrito de Passagem.  
 
As famílias viveram momentos de muita  tensão, além de disparar com armas de fogo indiscriminadamente pelo acampamento, os pistoleiros atearam fogo em cinco barracas. Ninguém ficou ferido, mas, de acordo com informação das famílias, eles prometeram voltar para “terminar o serviço”. 
 
A ocupação foi iniciada dia 10 de abril por aproximadamente 80 famílias que tem o objetivo de exigir do Governo Federal a desapropriação da área para fins de Reforma Agrária. 
 
Neste sábado (12) no evento de recepção do batalhão do raio que contou com a presença do governador do Ceará Camilo Santana (PT), a coordenação do MST cobrou a investigação e a punição dos culpados. As famílias vão permanecer na área até que a mesma seja destinada para fins de Reforma Agrária.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.