Não percebeu na hora

Livro impede que aluno seja baleado durante 'Chacina do Benfica'

O rapaz achou uma bala dentro do livro nesta segunda (12) quando arrumava sua mochila

18:42 · 12.03.2018 / atualizado às 19:56
bala
O estudante afirmou que, no momento do crime, não sentiu o impacto do tiro ( Foto: VC Repórter )
bala no livro
Ele disse que foi salvo graças ao livro ( Foto: VC Repórter )

Um estudante, que não quis ter sua identidade revelada, foi protegido de um tiro por um livro que estava em sua mochila quando ele corria de um dos ataques da 'Chacina do Benfica', ocorrida na noite da última sexta-feira (9). O aluno não sentiu o impacto do disparo e só encontrou a bala ao arrumar a mochila nesta segunda-feira (12).

Segundo o relato, o aluno estava na Praça da Gentilândia quando homens chegaram atirando. "Os caras chegaram atirando na região onde ficam as barracas de carne [na Praça da Gentilância] e foram se aproximando das pessoas atirando. Foi onde acertaram um homem e uma mulher", relata.

> Estudantes fazem ato na Praça da Gentilândia em homenagem às vítimas da 'Chacina do Benfica'

> Chacina do Benfica: Camilo diz que ferramenta tecnológica permitiu prisão de suspeito do caso

> Chacina no Benfica: dos 11 feridos, apenas 5 seriam os alvos

> Revolta e emoção dos parentes durante liberação dos corpos na Perícia Forense

Após os suspeitos acertarem duas pessoas, o estudante conta que um "um "cara moreno com um [revólver calibre] 38 deu um tiro para o lado da esquina, que possivelmente acertou minha mochila". Sem sentir nenhum impacto no momento do tiroteio, a bala foi achada apenas nesta segunda dentro do livro "Introdução à Mecânica dos Fluidos". 

Ataques deixam 7 mortos

A Chacina do Benfica deixou sete pessoas mortas e quatro feridas. Os homicídios ocorreram em três locais diferentes do bairro: na Praça da Gentilândia, na Vila Demétrio e na Rua Joaquim Magalhães, quase esquina com a Rua Major Facundo. Na madrugada do último domingo (11), o primeiro suspeito de participar dos ataques foi detido em um prédio no Meireles. A sequência de ataques foi ordenada por um preso membro de uma facção.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.