PRAIA DE IRACEMA

Jovem é agredida em frente à equipe policial, e homem é liberado após abordagem

De acordo com Karrô Rodrigues, o homem a agrediu por ter apoiado o fim do relacionamento com a amiga dela

19:11 · 17.06.2018 / atualizado às 16:44 · 18.06.2018

Uma jovem foi agredida, na madrugada de sábado (16), por um homem identificado como Manlio MiraBella, de nacionalidade italiana, na Rua João Cordeiro, localizada na Avenida Praia de Iracema. De acordo com Karrô Rodrigues, 23, as agressões aconteceram diante de uma equipe da Polícia Militar (PM). Segundo ela, os agentes não deram o apoio necessário.

Karrô conta que uma amiga mantinha uma união estável com Manlio, até que foi agredida pelo então companheiro. Após registrar um Boletim de Ocorrência (B.O) contra ele, o italiano passou a persegui-la inconformado com o término da relação.

Na noite da agressão, Karrô Rodrigues e a amiga foram a uma festa e, no retorno para casa, as duas foram informadas que o italiano estava na portaria do prédio em que o casal residia. Depois de algum tempo, elas receberam a informação que ele havia ido embora.

Ao chegar ao condomínio, Manlio Mirabella abordou as duas jovens e bateu em Karrô. "Ele está com raiva de mim porque eu apoio o fim do relacionamento deles", afirmou a vítima. Em um segundo momento, desta vez sozinha, na esquina do condomínio, a vítima diz ter sido "encurralada" pelo italiano na frente de três militares. "Ele jogou uma mala na minha testa. Na abordagem, ele começou a falar italiano, tentando enganar os policiais, fingindo não me conhecer", revelou a jovem.

Ajuda 

A vítima disse que os policiais se negaram a levá-la à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), para que um B.O pudesse ser registrado contra o agressor, porque ela estava sangrando e sujaria o veículo. "Eu pedi por favor para que eles me levassem à delegacia, e eles disseram para eu pegar um táxi, alegando que eu estava exausta. É claro, eu tinha acabado de ser espancada. Eles o liberaram e ficaram me questionando o que eu era dele, o que eu tinha feito para provocá-lo", denunciou.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), um B.O foi registrado, no 34° Distrito Policial (DP), para apurar o caso. Em relação ao comportamento dos policiais que supostamente negaram ajuda, o órgão informou apenas que "a conduta dos servidores será apurada".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.