FORAGIDO

Homem que atropelou e matou mulher na BR-116 é preso no Eusébio

Marluan Teixeira teve sua prisão temporária decretada por ordem judicial. Ele chegou a esconder metade do corpo da vítima em um matagal no bairro Pedras

17:23 · 23.03.2017 / atualizado às 23:10 · 03.09.2018
carro
Veículo usado pelo Marluan foi encontrado em oficina alguns dias depois do atropelamento ( Leandro Silva/TV Verdes Mares )
sulamita
Francisca Sulamita dos Reis Marques, de 52 anos, estava saindo do trabalho por volta das 18 horas do dia 10 de março, quando foi atropelada ( Reprodução PRF )

O homem que atropelou e matou uma mulher na BR-116 no último dia 10 de março, posteriormente identificado como Marluan Teixeira, de 23 anos, foi preso nesta quinta-feira (23) no Eusébio, município localizado na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Segundo fontes ouvidas pela reportagem, a prisão tem caráter temporário e foi decretada por ordem judicial, sendo cumprida pela Divisão de Homicidio e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo fontes, um mandado de prisão temporária já havia sido expedido na semana passada para Marluan, que não foi encontrado pelas autoridades na ocasião. Considerado foragido desde então, ele foi descoberto nesta quinta-feira, escondido na casa de parentes, no Eusébio.

O suspeito já havia se apresentado à polícia no último dia 13 de março, quando prestou depoimento no 6º Distrito Policial (DP), em Fortaleza, e foi liberado. Sua apresentação às autoridades aconteceu no mesmo dia em que os agentes do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, em parceria com a DHPP, encontraram a parte superior do corpo da vítima, Francisca Sulamita dos Reis Marques, de 52 anos, em um matagal no bairro Pedras. Posteriormente, Marluan confessou ter deixado os restos mortais no local.

O caso ganhou grande repercussão porque a vítima, depois de ser atingida no km 10 da BR-116, teve seu corpo partido ao meio. Os membros superiores de Sulamita não foram encontrados na rodovia, já que ficaram presos no carro de Marluan, que fugiu do local. Segundo fontes ouvidas pela reportagem, a previsão inicial é que o suspeito fique preso temporariamente por 30 dias.

Depoimento

Em seu depoimento no 6º DP, Marluan confessou que não possui carteira de habilitação e que dirigia a aproximadamente 100 km/h no momento da colisão. O suspeito disse também que não chegou a ver a vítima e só parou o carro posteriormente para fechar o capô, que subiu após o impacto.

"Ele alega que só depois viu uma bolsa no carro e que jogou o objeto fora. Na sequência, diz ter notado parte do corpo da vítima no tapete do carro, no lado do banco do passageiro. Posteriormente, decidiu se livrar do corpo no bairro Pedras", explicou o delegado Bruno de Figueiredo.

Suspeito identificado

Marluan só foi identificado pela polícia dois dias depois do atropelamento, em 13 de março, após o carro usado por ele, um corsa de cor vermelha, ser encontrado em uma oficina na Grande Messejana. A Polícia Civil chegou até o veículo após denúncia anônima. O carro estava com partes removidas, entre elas o capô, bancos e o câmbio.

No dia 12 de março, o advogado da família da vítima, Hemeson Rabelo, repassou à Polícia pistas sobre a localização de um carro vermelho envolvido no acidente. "Dois vigias foram testemunhas e viram que o capô do carro levantou com o impacto. O motorista parou, desceu do carro e abaixou o capô, antes de seguir viagem", ressaltou o advogado.

Entenda o caso

Na noite do dia 10 de março, Francisca Sulamita estava indo pegar uma Topic para ir para o município de Horizonte, onde morava. Ao tentar atravessar a BR-116, após sair do trabalho, a empregada doméstica foi atingida por um veículo em alta velocidade, quando falava ao telefone com a irmã. Devido ao forte impacto, o corpo da vítima foi desmembrado e somente a parte inferior do corpo foi encontrada no local.

O atropelamento foi gravado por uma câmera de vigilância de uma empresa instalada na rodovia. Como o automóvel estava em alta velocidade, não foi possível identificar, com exatidão, a placa ou modelo do veículo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.