Nas redes sociais

Filha de mulher morta após ser baleada por policial critica PM: 'incompetência e covardia'

Giselle Távora Araújo faleceu nesta terça-feira após ser confundida com um criminoso e levar um tiro nas costas

Universitária Giselle Távora Araújo, de 42 anos, morta pelas costas ao ser confundida com criminoso na Av. Oliveira Paiva ( Arquivo Pessoal )
10:52 · 12.06.2018 / atualizado às 12:58

Filha de Giselle Távora Araújo, que morreu na manhã desta terça-feira (12) após ser baleada nas costas por um policial militar que a confundiu com um criminoso, a estudante de arquitetura e urbanismo Dani Araújo usou suas redes sociais para desabafar sobre a atitude dos agentes de segurança, que dispararam contra o veículo em que ela e a mãe estavam. Em seu relato, ela chama a atitude da PM de "incompetente e covarde".

"Estamos todos muito abalados e transtornados com a incompetência da policia, que atirou covardemente pelas costas, sem uma abordagem, em uma mulher, mãe e esposa, que estava apenas assustada com o tumulto", escreveu a filha da vítima. Giselle foi baleada no momento em que trafegava com a filha na Avenida Oliveira Paiva, em Fortaleza, na noite destga segunda-feira (11). Ela foi seguida por policiais que faziam motopatrulhamento na região, após seu veículo, um HB20, ser confundido com o carro de criminosos.

LEIA AINDA:
. Caso Giselle: policial diz que atirou "em direção ao pneu do veículo"

Ainda segundo Dani Távora, o tiro disparado contra sua mãe acertou as costas e atravessou o pulmão direito da vítima, que chegou a ser levada ao Insituto Dr. José Frota (IJF), mas não resistiu aos ferimentos. Segundo informações de policiais do 13º DP, um dos agentes teria desferido dois disparos contra o carro após o mesmo não obedecer à ordem de parada.

Ainda na noite desta segunda-feira, a filha da vítima, que estava no IJF junto com o pai, disse à reportagem que a mãe não parou o carro porque pensou se tratar de um assalto. "Não fazíamos ideia que era para a gente. Pensamos que era assalto com outras pessoas. Escutamos disparos e pedi para minha mãe sair dali, até que ela levou um tiro", disse Dani Távora.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.