Familiares revoltados

Corpo de Giselle é enterrado; família diz que PM atirou quando "carro estava praticamente parado"

Segundo Rochele Menezes, após balearem a irmã, Giselle Araújo, os policiais apontaram quatro armas em direção à filha da vítima, ordenando que a jovem se ajoelhasse na rua

18:22 · 13.06.2018 / atualizado às 19:53
Giselle
Giselle morreu após ter sido alvejada por um disparo de arma de fogo que a atingiu nas costas ( Foto: Reprodução/ Facebook )

O corpo da universitária Giselle Távora Araújo, 42, foi velado e sepultado, na manhã desta quarta-feira (13), em uma funerária e em um cemitério particular, localizados em Fortaleza. A estudante morreu após ter sido alvejada por um disparo de arma de fogo que a atingiu nas costas, durante uma perseguição policial, na Avenida Oliveira Paiva, situada no bairro Cidade dos Funcionários, na noite da última segunda-feira (11). 

Durante o funeral, a irmã da vítima, Rochele Távora Menezes, afirmou o desejo de justiça para com o caso, pontuando que a versão exposta pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) não condiz com o que de fato aconteceu. "Eles estão dizendo que a minha irmã avançou o sinal vermelho e entrou na contramão. Ela acelerou apenas quando ouviu a sirene, para fugir, pensando se tratar de um assalto. Dobrou na Avenida Oliveira Paiva, na mão certa, e ele atirou, sendo que o carro estava praticamente parado", ressalta. 

>Órgãos de Giselle são doados

"Bastava parar o carro"

Rochele Menezes considera como um ato covarde a maneira com que a abordagem policial foi feita. "Bastava parar o carro, pedir para a minha irmã descer ou atirar no pneu. Ele foi um covarde", pontua a irmã da vítima, afirmando que os militares apontaram quatro armas em direção à sobrinha, filha de Giselle Araújo, ordenando que a jovem descesse do carro e se ajoelhasse no chão da rua. "Ela estava com a mãe baleada ali do lado. Ele assassinou a minha irmã. Quem é pago por nós para nos defender está nos matando? Governador, sua polícia é preparada para matar os inocentes", assevera.  

O amigo da vítima, Alexandre Alcântara, julga como lamentável a situação. "Nós podemos ver o despreparo psicológico e intelectual dos policiais quanto ao uso das armas de fogo. O treinamento que é dado a eles é feito em um espaço curto de tempo. Sabemos que os índices de violência são muito altos, e eles não estão preparados para agir da forma adequeda", pondera.

Alexandre Alcântara diz que a vítima não teve nenhuma defesa e que não houve ataque da parte que estava dentro do carro atingido. "Ela não entendeu que aquele sinal de parada era para ela. 'Por que o vidro do carro foi retirado?'. 'Por que o policial atirou se, em tese, para a polícia poder atacar ela tem que ter sido atacada anteriormente?'. A Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) que explique a situação: 'como a bala chegou até as costas da vítima e a assassinou?'", questiona.

Governador fala em "rigor nas investigações"

O governador Camilo Santana lamentou o ocorrido e afirmou que o Governo do Estado está procurando dar apoio à família de Giselle. "Determinei rigor na apuração dos fatos. Vamos aguardar as investigações para saber os motivos do lamentável ocorrido", destacou Camilo. O PM que atirou em Giselle afirmou, em depoimento, que disparou apenas depois que a vítima não atendeu a ordem de parada. De acordo com ele, o disparo foi em direção ao pneu do carro. 
 
O secretário de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, disse que milhares de abordagens são realizadas pelos policiais, e a minoria apresenta situações como a de Giselle. 
 
“Fazemos, por ano, dezenas ou talvez centenas de milhares de abordagens. Esse evento está sendo apurado ainda. Os policiais foram ouvidos na Delegacia e na CGD. Está muito no início para fazermos afirmações. Mas a gente confia muito no trabalho dos nossos policiais”.
 
O titular da SSPDS ressaltou ainda que a investigação não sofrerá interferência. “Esse trabalho é feito com isenção e imparcialidade, sem interferências, para que a sociedade possa ter a resposta que merece em relação a isso”.
 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.