Em Madalena

Condenado por integrar a quadrilha que furtou o Banco Central é liberado após nova detenção

Francisco Epifânio Neto é ex-cunhado do homem apontado como o mentor do crime milionário, Antônio Jussivan Alves dos Santos, o 'Alemão'

13:36 · 16.03.2018 / atualizado às 16:00

Condenado por integrar a quadrilha que furtou o Banco Central em 2015, Francisco Epifânio Neto foi detido pela Polícia, na manhã desta sexta-feira (16), em Madalena (a cerca de 185 km de distância de Fortaleza). Entretanto, ele acabou sendo liberado pela Polícia Civil.

Epifânio é ex-cunhado do homem apontado como o mentor do crime milionário, Antônio Jussivan Alves dos Santos, o 'Alemão'.

O Comando Tático Rural (Cotar), da Polícia Militar, chegou a Francisco Epifânio após uma denúncia anônima que dava conta que armas de fogo e droga eram mantidas em uma fazenda localizada no Distrito de Macaoca, segundo uma fonte do Cotar.

Primeiramente, os policiais militares prenderam um homem identificado apenas como Igor, que seria empregado da propriedade e portava um revólver calibre 44 e uma espingarda calibre 28.

Suspeito tinha alvará de soltura

Na sequência das diligências, Francisco Epifânio foi encontrado e detido. A suspeita da Polícia Militar era que ele também tivesse responsabilidade pela posse das armas de fogo. Além disso, os policiais apuraram que Epifânio estava com um mandado de prisão em aberto.

A dupla suspeita foi levada à Delegacia Regional de Canindé, da Polícia Civil. No local, foi constatado que havia um alvará de soltura para Epifânio, referente ao processo em que foi condenado.

Igor assumiu a posse das duas armas de fogo e ficou preso. Já o seu patrão foi liberado, por falta de provas.

O ex-cunhado de 'Alemão' é apontado pela investigação da Polícia Federal (PF) como um dos responsáveis pela lavagem do dinheiro do furto ao Banco Central, em agosto de 2015. Ele foi condenado, mas teve a pena reduzida.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.