Apoio

Caso Giselle: Camilo diz que Governo dará apoio à família e pede rigor nas investigações

Governador voltou a lamentar a morte da universitária de 42 anos, que foi confundida com um criminoso e baleada por um PM

11:26 · 13.06.2018 / atualizado às 11:30

Um dia após a morte da universitária Giselle Távora Araújo, de 42 anos, que foi confundida com um criminoso e atingida nas costas pelo disparo de um policial militar, o governador Camilo Santana voltou a lamentar o ocorrido e disse que o Governo do Estado está procurando dar apoio à família da vítima. Segundo o chefe do executivo estadual, as investigações sobre o caso seguem em andamento.

"Há uma determinação para que áreas do Governo, não só a secretaria (da segurança), como também a parte de direitos humanos, possam visitar e saber que tipo de apoio o Estado pode dar aos familiares", ressaltou Camilo nesta quarta-feira (13), durante a cerimônia de posse de 1.318 novos soldados da Polícia Militar (PM), no Centro de Eventos do Ceará.

Leia ainda:

.Mortes em ações da Polícia crescem 881% em cinco anos
.Três casos causaram comoção após mortes em abordagem policial
.Filha de Giselle critica PM: 'incompetência e covardia'

O governador também pediu rigor nas investigações sobre o caso, com o objetivo de elucidar todas as características da operação policial que resultou na morte de Giselle. Em depoimento, o agente que disparou contra o veículo em que a univesitária estava alegou que mirava no pneu do carro, e que a medida só foi tomada porque ela "não atendeu a ordem de parada".

"Determinei rigor na apuração dos fatos. Vamos aguardar as investigações para saber os motivos do lamentável ocorrido", destacou Camilo. Questionado sobre a capacitação dos profissionais de segurança do Estado, o governador foi enfático em ressaltar que a formação dos agentes "segue rigorosamente as diretrizes nacionais" estabelecidas pela secretaria responsável pelo treinamento de policais em todo o Brasil.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.