Julgamento

Caso Dandara: defesa fala em nome dos réus e pede punição 'à medida das participações'

Durante depoimento, todos os réus confessaram as agressões, mas alegaram não haver intenção de matar

19:26 · 05.04.2018 / atualizado às 19:36
dandara
Todos os cinco réus foram ouvidos, na tarde desta quinta-feira (5), por crime de LGBTfobia ( Fernanda Siebra )
A defesa dos cinco réus julgados no caso Dandara começou a apresentar sua tese, no Fórum Clóvis Beviláqua. No início da tarde, houve a manifestação da acusação; nesta quinta-feira (5) ainda deve haver réplica e tréplica.
 
Para o defensor público Francisco Barreto, responsável pela defesa de Jean Victor e Rafael Alves, "a acusação tem que mostrar quem matou Dandara. Jean e Rafael não efetuaram os disparos, eles não estavam em posse de armas. As pessoas devem ser punidas à medida das suas participações”, pontuou.
 
Caroline Bezerra, defensora pública de Francisco Gabriel disse que ele não matou Dandara. 
 
"Deu duas chineladas, participou das agressões antes da filmagem. Como é que uma pessoa dessa dá duas chineladas e pode ser acusada igualmente?”, questionou.
 
LEIA TAMBÉM
 
 
 
Todos os cinco réus foram ouvidos, na tarde desta quinta-feira (5), por crime de LGBTfobia pela morte da travesti Dandara dos Santos e "perderam-se em contradições", de acordo com a análise do advogado Hélio Leitão, assistente da acusação do Ministério Público do Estado do Ceará (MP-CE). 
 
Todos os réus confessaram as agressões, mas alegaram não haver intenção de matar.
 
Julgamento deve ser concluído na madrugada de sexta (6), prevê MPCE 
 
O julgamento de cinco dos oito acusados pela morte da travesti Dandara dos Santos ocorre um ano e um mês após o assassinato, e pode ser concluído na madrugada desta sexta-feira (6), segundo previsão do Ministério Público do Estado (MPCE).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.