padre andrade

26 pessoas são indiciadas por participação no 'Carnaval do Comando Vermelho'

Das 67 pessoas conduzidas pela Polícia, 41 foram ouvidas e liberadas em seguida

16:14 · 11.02.2018 / atualizado às 16:27
CV
Os suspeitos foram surpreendidos por patrulhas da Polícia Militar comandadas pelo major PM Marchesan Nacarato (Foto: Marcos Dublê)
Das 67 pessoas detidas pela Polícia Militar (PM) em uma festa intitulada como “Carnaval do Comando Vermelho”, na noite do último sábado (10), no bairro Padre Andrade, Área Integrada de Segurança (AIS) 6, 15 adolescentes e 11 adultos foram indiciados. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), os adultos responderão pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo, organização criminosa e corrupção de menores. Contra os adolescentes, foram registrados atos infracionais por crime contra a paz pública.
 
Ainda de acordo com a Pasta, com as pessoas que participavam da festa irregular, foram apreendidos um revólver calibre 38 roubado de um PM, e um cinto de guarnição. Segundo a Polícia Militar, também foi constatado o consumo e a venda de bebidas alcoólicas para menores de idade, além da ocorrência de perturbação do sossego.
 
Questionado pela reportagem sobre o que seria feito com as outras 41 pessoas envolvidas na festa, o órgão limitou-se a dizer que elas “também foram conduzidas até a unidade policial, onde foram ouvidas e liberadas em seguida”. 
 
Os adultos indiciados foram identificados como Jonata Barreto de Sousa, Jean Patrick Aguiar Lima, Pablo Ítalo Oliveira da Silva, Cláudio Ronielson Pereira, Ednardo Lourenço, Ronildo Câmara da Silva, Antônio Cristiano Siqueira Leite, Jonas Ribeiro da Silva, Odeleon Castelo Araújo, Rodolfo Silva Sampaio e Messias Pires Bernardo Silva. Após serem autuados, eles foram encaminhados para outras unidades policiais.
 
Os procedimentos foram feitos na Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). Todos os envolvidos foram levados à Especializada por equipes da PM.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.