balanço parcial

Número de assassinatos no CE cai, após 14 meses

Os dados consolidados, que incluem as lesões corporais seguidas de morte, ainda não foram divulgados pela SSPDS

Apesar da diminuição em abril de 2018, o acumulado de CVLIs de janeiro a abril de 2018 supera a soma do primeiro quadrimestre do ano anterior ( Foto: Natinho Rodrigues )
01:00 · 05.05.2018 por Emanoela Campelo de Melo - Repórter

Pela primeira vez, desde fevereiro de 2017, o número de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) - homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte - caiu, no Ceará, quando comparados períodos dos anos subsequentes. Mesmo apresentando uma queda, o índice ainda foi muito alto, em abril de 2018, quando os relatórios diários divulgados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), contabilizaram, pelo menos, 354 execuções. No quarto mês do ano passado, a Pasta contabilizou 378 mortes.

A discreta redução de 6,3% é baseada em dados ainda não consolidados pela SSPDS. Os relatórios publicado não somam as pessoas feridas, que morreram em unidades hospitalares.

Apesar da diminuição neste último mês, o acumulado de CVLIs de janeiro a abril de 2018 supera a soma do primeiro quadrimestre do ano anterior. Enquanto nos quatro primeiros meses deste ano ocorreram 1.612 execuções, em igual período de 2017 foram cerca de 1.380. Fortaleza permanece a região mais crítica do Estado. Nas periferias da Capital está concentrada a maior parte dos crimes contra.

Latrocínios

Em menos de duas semanas, a SSPDS catalogou dois latrocínios na Capital. Na manhã do último dia 12 de abril, a estudante universitária Cecília Rachel Gonçalves Moura foi baleada na cabeça, no bairro Parque Manibura. A jovem conduzia um veículo quando foi surpreendida por uma dupla armada, que tentou assaltá-la. Uma semana depois, sete suspeitos haviam sido presos e a Polícia Civil considerou o crime elucidado.

No início da tarde do dia 24 de abril de 2018, mais um latrocínio foi registrado. Roberto Mamede Studart, empresário e diretor de Esportes Amadores e Olímpicos do Fortaleza Esporte Clube, foi morto na saída de uma agência bancária, na Avenida Santos Dumont, Papicu.

As imagens das câmeras de segurança de estabelecimentos próximos mostraram que Studart foi vítima de uma 'saidinha bancária'. Horas após a ocorrência, a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) divulgou a captura de dois suspeitos. Segundo as investigações, o responsável por alvejar o empresário é um adolescente de 16 anos.

No último dia 26, o governado Camilo Santana, se pronunciou sobre um outro CVLI registrado em abril. O gestor considerou a morte de um menino de seis anos, vítima de um confronto entre policiais e criminosos no bairro Bom Jardim, como um "infeliz acidente".

Diminuição

Um servidor da Policia Civil, que não quis se identificar, explicou que a tendência é que ocorra uma diminuição nas execuções. "Quando houve a pacificação das facções nas periferias os homicídios caíram; quando romperam, os homicídios atingiu os números mais altos da história. Em 2017, houve uma redivisão dos territórios e isso ocasionou uma guerra na periferia. Agora, que está praticamente tudo dividido, logicamente não há mais motivo para as facções continuarem se matando. Há menos que comece outra divisão, a tendência é diminuir os homicídios".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.