Governador e secretário se manifestam sobre o caso

00:00 · 08.04.2017 / atualizado às 00:11

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, afirmou, em entrevista coletiva nessa sexta-feira (7), que a Polícia tem feito todo o esforço possível para encontrar a menina Débora Lohany e prender os responsáveis pelo rapto da criança de quatro anos.

LEIA MAIS

.Corpo de menina é achado em lixo; mãe diz que é de Débora 

"Por parte nossa, não poupamos nenhum esforço, nenhum recurso. Tudo que tínhamos a disposição colocamos no caso: as melhores equipes de investigadores, patrulhamento aéreo diversas vezes na região, Canil do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar e mergulhadores, porque tinha a denúncia de que ela podia ter sido arremessada no rio", afirmou o titular da SSPDS.

A Pasta informou, na última segunda-feira (3), que as buscas por Débora tinham sido encerradas na região do Lagamar, depois de completar uma semana do sumiço da criança. A Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa), responsável pela investigação do caso, chegou a ouvir dois homens, que têm um braço amputado (característica do suspeito apontada por supostas testemunhas do rapto), mas ambos foram liberados.

De acordo com o secretário de Segurança, não havia imagens de câmera de monitoramento no local do rapto, o que dificultou o trabalho da Polícia. "Sobre a investigação, a gente não tem nada a revelar nesse momento. Lamentamos muito e ficamos nos questionando como um ser humano é capaz de um ato desses", disse André Costa.

O governador Camilo Santana disse que quer evitar que episódios como o de Débora aconteçam novamente no Estado. "A gente fica indignado com qualquer morte no Ceará, principalmente quando é uma criança. Oficialmente, ainda não foi constatado que é a Débora. Quero aqui lamentar pela família e dizer que nosso esforço é que possamos evitar episódios como esse no Ceará", afirmou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.