DDF investiga

Golpe com pacotes de viagem faz 70 vítimas

A Polícia Civil não divulgou o valor do desfalque. A empresa investigada tem sede na Av. Washington Soares

O titular da DDF, delegado Jaime Paula Pessoa Linhares, afirmou que mais vítimas registraram Boletins de Ocorrência em outras delegacias. Até a noite de ontem, não havia mandado de prisão para o empresário ( Foto: Natinho Rodrigues )
01:00 · 14.11.2017 por Emanoela Campelo de Melo - Repórter

O sonho da viagem nacional e internacional se transformou em prejuízo para, cerca de, 70 cearenses vítimas de um golpe promovido a partir da oferta de falsos pacotes turísticos. Por meio da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), a Polícia Civil investiga um suposto empresário que teria enganado dezenas de clientes.

Conforme o titular da Especializada, delegado Jaime Paula Pessoa Linhares, desde a manhã de ontem, as vítimas vêm registrando Boletins de Ocorrência (B.O) contra a empresa 4reserv, com sede na Avenida Washington Soares. Conforme a Polícia, as vítimas alegam que foram enganadas por Carlito Casemiro Júnior, proprietário da agência e que tem dupla nacionalidade.

Jaime Pessoa conta que, em um dia, foram instaurados quatro inquéritos na DDF para apurar o caso. Até a noite de ontem, a Polícia Civil não havia contabilizado o montante apurado com o golpe. No entanto, devido ao número de vítimas e aos preços dos pacotes, o rombo pode chegar a um valor milionário.

"Os fatos chegaram hoje pela manhã na Delegacia. Recebemos dezenas de pessoas para registrar os boletins. Elas contam que compraram pacotes e que ele não teria honrado. Na última sexta-feira, ele já teria deixado de honrar alguns pacotes. Outras pessoas, já prevendo que também foram enganadas, também já registraram boletins", afirmou o delegado.

De acordo com a Polícia Civil, o primeiro B.O registrado contra Carlito Casemiro foi na sexta-feira (10). Jaime Paula Pessoa revelou que um funcionário da agência começou a receber ligações de um grupo de vítimas que estava no Aeroporto Pinto Martins e descobriram que as passagens para Fernando de Noronha não existiam. "As pessoas começaram a dizer que iriam denunciar o caso para a Polícia. O funcionário disse ter ligado para o Casemiro, que disse que ia resolver. Aí o funcionário comunicou à Polícia e depois disso não conseguiu mais contato com o patrão. Não sabemos há quanto tempo isso vinha acontecendo, ainda vamos apurar", explica o delegado titular da DDF.

Investigação

Além da Especializada, há vítimas que registraram boletins na Delegacia de Proteção ao Turista (Deprotur) e Delegacia Regional de Sobral. Além das versões dos que sofreram o golpe, as autoridades vêm recebendo documentos que comprovam os pagamentos. A Polícia Civil acredita que com a divulgação do caso, nos próximos dias, mais vítimas prestem queixas. Até o início da noite de ontem, o suspeito não era considerado foragido da Justiça, já que não havia mandado de prisão expedido contra ele. O delegado não descarta a possibilidade de serem instaurados mais inquéritos, estes, com pedido de prisão, busca e apreensão.

Serviços

Dentre os destinos mais procurados pelos clientes que prestaram queixa contra a 4Reserv estão Gramado, Fernando de Noronha e Portugal. O titular da DDF lembra que um dos inquéritos corresponde ao golpe aplicado contra um grupo de pessoas que iria a um congresso em Portugal, na Europa. Juntas, as vítimas teriam pago o valor de R$ 30 mil.

Jaime Paula Pessoa acrescenta que além das viagens, as vítimas também compraram moedas internacionais, como Euro, com Carlito Casemiro. No site da 4reserv, o empresário assina um texto afirmando que a empresa opera em Fortaleza, Dubai, Orlando e Bruxelas.

No início da noite de ontem, a reportagem tentou contactar a agência, mas as ligações não foram atendidas.

Mais informações

Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF)

Endereço: Rua Professor Guilhon, 606, Bloco A - Aeroporto, Fortaleza

Telefone: (85) 3101.2505/2506

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.