dezenas de internos

Fuga em massa na nova unidade prisional no Ceará

Os presos foragidos da Unidade Prisional Professor José Sobreira de Amorim seriam membros da GDE

01:00 · 14.04.2018 por Emanoela Campelo de Melo - Réporter
A penitenciária foi inaugurada em novembro do ano passado e tem capacidade para 600 internos. Porém, até o último mês, abrigava 920 presos ( FOTO: JL ROSA )

Inaugurada há, cerca de, cinco meses, a Unidade Prisional Professor José Sobreira de Amorim (UPPJSA), localizada em Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), e tida pela Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (Sejus) como equipamento modelo para ressocialização de presos, registrou fuga em massa na madrugada dessa sexta-feira (13).

De acordo com uma fonte ligada ao Governo do Estado, em torno de 40 internos escaparam do equipamento. Em nota divulgada pela Sejus no fim da noite da sexta, a Pasta informou que a contagem seguia em andamento, mas o número de internos foragidos não ultrapassaria 35. Segundo apurado pela reportagem, a unidade concentra presos ligados à facção criminosa Guardiões do Estado (GDE) e massa carcerária.

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado (Copen), advogado Cláudio Justa, afirmou que os detentos que organizaram a fuga em massa na unidade são membros da facção GDE. A Sejus divulgou que a fuga aconteceu após os internos fazerem um buraco, escalarem a e chegaram à área externa, por meio de uma corda artesanal.

Já o advogado afirmou que os presos serraram as grades e escaparam pela cerca da unidade. "A operação só foi descoberta na manhã da sexta-feira", destacou Cláudio Justa.

No que diz respeito à segurança, Justa, acrescentou que uma fuga de grandes proporções no local, apenas alguns meses após o início de suas operações, liga um sinal de alerta: "Trata-se do equipamento mais novo do Ceará, o que torna o incidente preocupante. Mostra que, se houver presos de facções juntos e um baixo efetivo de agentes, a estrutura por si só não é o suficiente".

O advogado e ex-presidente do Conselho Estadual de Segurança Pública, Leandro Vasques, recordou que "no plano 'Ceará Pacífico em Ação', que foi apresentado pelo governo no final de 2017 na página 49, por exemplo, há a previsão de se elaborar um programa de política penitenciária, isso mesmo "se elaborar". Um plano prevendo outro. Isto é, não existe", disse.

Até o fechamento desta edição, nenhum dos suspeitos foragidos haviam sido recapturado, e as diligências permaneciam. Apesar do fato, a Pasta não previa transferências de presos.

Superlotação

Quando a UPPJSA foi lançada, o objetivo da Sejus era auxiliar na redistribuição dos internos, aliviar o excedente no sistema penitenciário e focar na ressocialização via educação e trabalho. O investimento no prédio com 11.114,06 m² de área foi, segundo o Governo, de, aproximadamente, R$ 24 milhões.

As 600 vagas na Unidade Prisional Professor José Sobreira de Amorim, que leva o nome do avô do governador do Ceará Camilo Santana, não se mostraram ser suficientes para desafogar outras unidades.

Conforme dados mensais da própria Pasta, a penitenciária tem capacidade para abrigar 600 internos, porém, terminou o último mês de março, com 920 homens detidos.

O excedente é fenômeno que se repete nas outras grandes prisões e cadeias públicas do Ceará. O boletim mensal da Sejus mostra que a população carcerária do Estado chegou a 28.724. A maior superlotação foi registrada no Instituto Penal Feminino (IPF), com 167,4% a mais do que a capacidade.

O número recorde também se deve ao alto índice de presos provisórios. Só este regime engloba um total de 14.462 pessoas no Estado do Ceará. Já no regime aberto há 4.090, e no semiaberto 3.337.

Também segundo o levantamento estatístico da Secretaria, em março deste ano, a origem dos novos presos internos nas unidades RMF foram da Delegacia de Capturas (223), audiências de custódia (319), Polícia Federal (6) e comarcas (172).

Cadeias

As cadeias públicas localizadas no Interior do Ceará também enfrentam problemas de fugas em massa. No dia 16 de janeiro de 2018, um grupo de seis presos se evadiu da Cadeia Pública de Chaval, município a, aproximadamente, 400Km de Fortaleza.

Dias antes, agentes penitenciários conseguiram evitar escape de internos do equipamento de Icapuí. Na cadeia da cidade foi encontrado um túnel ligando três celas. Celulares e drogas também foram localizados durante a mesma vistoria.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.