ostentação

Forró mudou e arrecada milhões

01:00 · 19.10.2016

Da "Asa branca" de Luiz Gonzaga à músicas que falam de bebida, dinheiro e aquisição de bens. Não há dúvidas que o Forró passou por grandes transformações ao longo dos anos. Entretanto, as mudanças não ficam apenas nas letras das canções, basta analisar a quantidade de capital que esse mercado movimenta.

Com ingressos que frequentemente passam dos R$ 100 e podem chegar até R$ 500, dependendo da ocasião e do show, a ostentação e a sensualidade passaram a fazer parte da realidade do estilo tradicionalmente nordestino, que ganhou ritmo mais eletrônico em suas músicas.

>Empresa de entretenimento pode ter sonegado meio bilhão de reais 

>Cachês reais não eram declarados

Com cerca de 20 shows por mês e 14 anos de estrada, recém comemorados, a banda Aviões do Forró é um dos grupos de maior sucesso no segmento com cachês que variam de R$ 300 mil a R$ 500 mil reais. Na manhã de ontem, foi alvo de uma ação da Polícia Federal (PF) que apreendeu R$ 600 mil em empresas ligadas ao grupo A3 Entretenimento, investigado por fraudes no Imposto de Renda.

Em nota, o grupo manifestou está ciente e que irá colaborar com as investigações da PF. Segundo o comunicado, a agenda de shows segue inalterada, com um evento realizado na noite de ontem em Floriano, no Piauí. A próxima apresentação da banda, no Ceará, está marcada para hoje, em Lavras da Mangabeira. Nas redes sociais dos cantores e da banda, os fans demonstraram apoio no momento complicado e esperam que o caso seja resolvido o mais rápido possível.

Cenário

Para o Professor Tadeu Feitosa, pesquisador de cultura e mídia da Universidade Federal do Ceará (UFC), as mudanças fazem parte do ciclo da música. "Quando a gente fala de gênero e tradições musicais falamos em algo continuo e suas novas linguagens que vão surgindo ao longo de sua trajetória. A linguagem vai dialogando com o seu tempo. É preciso situar isso no contexto da indústria e do comércio do forró. O forró artesanal feito pelos precursores do forró foi feito em outros tempos", explica Tadeu Feitosa.

O professor situou o período em que o ritmo passou a gerar grandes lucros. "Quando entramos nos anos 1990 temos a ocupação da música pela mídia. Isso começa em 1989 na mistura do forró com o pop. Em todo o Nordeste surgem bandas, a mídia se apropria do ritmo e a transforma em algo global".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.