tortura e mutilação

Dupla é capturada por crime bárbaro

01:00 · 16.03.2018
Polícia
De acordo com informações da Polícia Civil, em depoimento, o homem preso confirmou fazer parte da facção criminosa GDE ( Foto: Kléber A. Gonçalves )

Mais dois suspeitos de participarem no triplo homicídio, ocorrido no último dia 2 de março, no mangue do Rio Ceará, entre Fortaleza e Caucaia, foram capturados, na manhã de quarta-feira (14), na Comunidade dos Gafanhotos, no bairro Vila Velha. Na ação, foram apreendidos uma adolescente e um homem, apontado como mandante do crime. Com as capturas realizadas, sobe para oito o número de suspeitos capturados.

Em depoimento, Jeilson Lopes Pires, 21, confirmou fazer parte da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE). O suspeito tem uma tatuagem, no tórax, que faz menção ao símbolo da antiga 'Gangue dos Gafanhotos', que, segundo a Polícia Civil, é vinculada à GDE, atualmente. Pires já respondeu por associação criminosa e será indiciado por corrupção de menor, pelos três homicídios e ocultação dos cadáveres. A adolescente de 17 anos negou que tenha alguma participação no triplo homicídio.

A Polícia Civil afirma que a motivação do crime foi a disputa entre facções, e que o alvo da ação seria Nara Lima, 23, porque os suspeitos acreditavam que ela havia migrado para um grupo criminoso rival. A vítima já havia respondido por tráfico de drogas, no ano de 2014.

Além de Nara, Ingrid Teixeira Ferreira e Darciele Anselmo de Alencar foram torturadas, mutiladas e executadas. Toda a barbárie foi filmada e circulou nas redes sociais.

Prisões

Anteriormente, a equipe do 7°DP (Pirambu) já tinha capturado Diego Alves Fernandes, 21, que já havia respondido por receptação, associação criminosa e corrupção de menor; Luiz Alexandre Alves Silva, 25, com passagens por roubo; Antônio Honorato dos Santos, 42, sem antecedentes; Bruno Araújo de Oliveira, 23, que já havia respondido por roubo e homicídio; e Júlio César Clemente da Silva, 28, que não tinha antecedentes.

Outro adolescente, também de 17 anos, foi apreendido e conduzido à DCA, pelos policiais do 7ºDP. Em depoimento, ele confessou ter presenciado os fatos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.