assassinato dos líderes do PCC

Draco pede prisão de 10 suspeitos do crime

01:00 · 19.05.2018 / atualizado às 13:49 · 29.05.2018

A força-tarefa que investiga o assassinato dos líderes do PCC Rogério Jeremias de Simone, ‘o Gegê do Mangue’, e Fabiano Alves de Souza, ‘o Paca’, pediu a prisão de dez suspeitos do duplo homicídio, praticado no dia 15 de fevereiro deste ano, na reserva indígena Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz.

Segundo a investigação são suspeitos de participação direta no duplo homicídio o piloto Felipe Ramos Morais, 31, preso na segunda (14) em Goiás; Tiago Lourenço Sá de Lima, 31, ‘o Tiririca’; Wagner Ferreira da Silva, 32, vulgo ‘Cabelo Duro’, morto no dia 23 de fevereiro na portta de um hotel em São Paulo; Ronaldo Pereira da Costa, 33; André Luis da Costa Lopes, 38, ‘o Andrezinho da Baixada’; Erick Machado Santos, 34, ‘o Neguinho Rick da Baixada’; e Carlenilto Pereira Maltas, 39.

> Supostos ‘laranjas’ revelam relação com ‘Gegê’ e ‘Paca’

Por participação indireta, sendo suspeitos de auxiliar os supostos sete executores de ‘Gegê’ e ‘Paca’, foram expedidos mandados de prisão contra Renato Oliveira Mota, 28; Maria Jussara da Conceição Ferreira Santos, 45, bem como seu filho, Jefte Ferreira Santos, 21.

As investigações com relação aos possíveis auxiliares do duplo homicídio apontam que mãe e filho vieram de Guarulhos, em São Paulo, dois dias antes do crime e recepcionaram quatro dos sete suspeitos diretos dos assassinatos. Jussara teria pago a última diária dos quatro homens no flat em que ficaram hospedados nos dias anteriores às mortes de ‘Gegê’ e ‘Paca’. Além disso, ambos voltaram a Fortaleza de avião no dia 18 de fevereiro (três dias após o duplo homicídio) e retornaram no dia 19 para Guarulhos. O tempo curto ainda intriga os investigadores.

Renato Oliveira Mota teria ajudado os executores na logística de movimentação, além de ter comprado um veículo em uma concessionária na Avenida Rogaciano Leite pelo valor de R$ 49 mil. As apurações descobriram que Renato voltou à concessionária dias depois da compra e vendeu o mesmo veículo por cerca de R$ 41,5 mil. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.