operação for all

Cachês reais não eram declarados

01:00 · 19.10.2016
Image-0-Artigo-2145853-1
De acordo com PF e a Receita, além dos cachês, outros valores também eram omitidos pelas bandas pela empresa que controla os grupos ( FOTO: JL ROSA )

As quatro bandas de forró que estão sendo investigadas na Operação "For All" não declaravam os cachês dos shows por inteiro no Imposto de Renda (IR), de acordo com a investigação da Receita Federal em conjunto com a Polícia Federal. Essa era uma das principais manobras do grupo para não pagar o crédito tributário adequado ao Estado.

>Empresa de entretenimento pode ter sonegado meio bilhão de reais 

>Forró mudou e arrecada milhões

De acordo com os órgãos, apenas 20% a 50% dos cachês eram declarados, por se tratar da parcela que era depositada na conta das empresas. A outra parcela, que pode chegar a 80% do valor real das apresentações, era paga em dinheiro físico às bandas, antes delas subirem ao palco.

A sonegação fiscal foi descoberta a partir da diferença entre o valor declarado pelas bandas e o cachê pago em shows que tinham prefeituras municipais como contratantes, já que estas discriminavam o valor real em documentos oficiais. Informações sobre o cachê das bandas fornecidas pela imprensa também colaboraram para a investigação.

"O que causou estranheza é o que é divulgado e o que efetivamente vai para o papel, para a declaração (do IR). Quando cruza a quantidade de shows que é realizada por ano com o valor que eles cobram por cachê, a gente vê que é totalmente díspare do que eles informam oficialmente à Receita Federal. É uma diferença enorme", afirmou a delegada da Polícia Federal, Doralucia Oliveira de Souza.

Além dos cachês dos shows, outros valores também eram omitidos pelas bandas de forró e pela empresa que controla esses grupos, no caso a A3 Entretenimento. "Existem dois caminhos. Um mundo oficial e um mundo clandestino, subterrâneo. A parte formal dessas empresas representa em torno de 20% do que efetivamente circulava de dinheiro. A grande parte dos recursos circulava em espécie, e isso demonstra claramente a tentativa de se evadir da tributação, o que apresenta indícios de lavagem de dinheiro", reforçou o auditor Fiscal e superintendente da Receita Federal do Brasil, João Batista Barros.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.