Após Massacre das Cajazeiras

'Barreirão' segue sem assistência

01:00 · 25.05.2018
Image-0-Artigo-2404940-1
O muro do ‘Forró do Gago’ já não é o mesmo. Nessa semana, está sendo pintado de branco para ser a sede do Santuário do Espírito Santo ( Foto: Reinaldo Jorge )

Questionar os moradores na esquina da Rua Madre Tereza de Calcutá, onde o massacre das Cajazeiras ocorreu, há quase quatro meses, é apenas confirmar o que uma rápida olhada ao redor, já responde. Ainda que as investigações sobre a chacina tenham andado nesse período, assistência por ali não passou.

A rua marcada pela tragédia ainda é a mesma do fim de semana, no qual 14 corpos caíram imóveis: o esgoto a céu aberto, as marcas dos disparos nas paredes e a lombada incompleta no chão seguem iguais. No entanto, o muro do 'Forró do Gago' já não é o mesmo. Nessa semana, está sendo pintado de branco para ser a sede do Santuário do Espírito Santo, igreja evangélica, cujos cultos ocorrerão às quartas, sextas-feiras e domingos.

> Chacina das Cajazeiras: investigação finalizada

"Ninguém apareceu aqui depois daquele acontecimento, mas o ambiente melhorou, graças a Deus. Ainda ficamos assim assustados, claro, mas está bem melhor", narra uma das moradoras do local, evidenciando a força da comunidade em tentar superar o massacre.

Embora a mulher não acredite que os "criminosos verdadeiros" estão presos, ela questiona o porquê de o Benfica, após a chacina do dia 9 de fevereiro, ter recebido maior apoio do que as Cajazeiras: "Lá teve um monte de coisa e aqui nada".

Na visão de outro morador do 'Barreirão', "se as pessoas forem viver só em prol da chacina, a vida para". "Nós temos que lamentar, ser solidários com os vizinhos. Aconteceu isso, mas a gente não vê esse pessoal lá de cima aqui, acolhendo as famílias que ficaram", destaca.

A SSPDS disse, em nota, que desde o dia 27 de janeiro, "realiza a territorialização das Forças de Segurança, bem como traz outros atores sociais para a atuação em conjunto nesses locais". A Secretaria citou as comunidades 'Babilônia' e 'Gereba', na mesma região, mas não houve atuação similar no 'Barreirão'.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.