sistema penitenciário

Agente é preso ao entrar com celulares no IPPOO II

Uma parte dos celulares foi localizada na bolsa que o suspeito usava; a outra foi localizada no veículo dele. O agente foi autuado em flagrante na CGD
01:00 · 15.02.2018

Um agente penitenciário foi preso em flagrante, na tarde de ontem, ao tentar entrar com vários celulares e acessórios para entregar aos detentos do Instituto Penal Professor Olavo Oliveira (IPPOO II), localizado no Complexo Penitenciário Itaitinga I. De acordo com uma fonte da Secretaria de Justiça e Cidadania (sejus), o suspeito foi detido pelo chefe de Segurança e Disciplina da unidade.

Conforme o servidor da Sejus, já havia suspeitas de que o agente, que não teve o nome divulgado, estivesse envolvido com a facilitação de entrada ou entrega de material ilícito para os detentos. Uma parte dos celulares foi localizada na bolsa que o suspeito usava; a outra foi localizada no veículo dele.

O servidor da Sejus que conversou com a reportagem disse que o agente preso é lotado na Cadeia Pública de São Gonçalo Amarante, mas costumava dar plantões no IPPOO II, para conseguir horas-extras.

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Sejus confirmou que o agente penitenciário foi flagrado tentando entrar com celulares no IPPOO II. Conforme a Pasta, ele foi encaminhado à Delegacia de Assuntos Internos (DAI) da Controladoria Geral de Disciplina (CGD).

A CGD também se manifestou por meio de uma nota e informa que "a DAI instaurou inquérito policial, para apurar possível corrupção e prevaricação envolvendo um agente penitenciário". A Instituição afirmou, também, que o servidor era plantonista no IPPOO II e, com ele foram encontrados e apreendidos aparelhos celulares. "O inquérito encontra-se em fase de diligências para oitiva de testemunhas", conforme a CGD.

Além do inquérito, a Pasta determinou ainda a instauração de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para a devida apuração interna do caso.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.