Artigo

Violas amaldiçoadas

00:00 · 05.06.2018

De fatos históricos e do replicar de lendas e mitos, nascem infindos e preciosos causos. Uns, verdades bem verdadeiras. Outros, simples estórias curiosas. Todos, legados de alguma serventia futura. Deixe-se a lereia para depois e assunte-se o ocorrido. Tempo em que Campo Grande não era Guaraciaba do Norte e Frei Vidal da Penha pregava e profetizava pela serra da Ibiapaba. Desde o momento em que o capuchinho adentrou o arruado, a cavaleiro de dócil mula, os habitantes acompanharam-no. Vivesse Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1616) e presenciasse a cena, talvez procurasse enxergar um escudeiro acompanhando o sacerdote andante. Assim que descavalgou, de quase um coro ensaiado, ouviu um rosário de lamúrias e queixumes. As lamentações e reclamos resumiam-se na perversão, devassidão e libertinagem. "Campo Grande vive dias de Sodoma e Gomorra!", asseverou uma longeva religiosa letrada. O missionário soube que a causa maior dos males eram as violas e as festas. Nas ruas, vilarejos e povoados. Logo, convocou missa extraordinária a ocorrer na manhã seguinte. E que ninguém, ninguém mesmo, se atrevesse a faltar. O Sermão foi apocalíptico. Aqueles possuidores de violas, sob pena de excomunhão, trouxessem-nas, até o fim da tarde, e as colocasse ali. Fez-se um montão enorme. O catequista determinou que as pendurassem numa árvore seca, com as sobrantes embaixo, realizando uma fogueira. Fogo ateado. Presenciadores juravam ter ouvido sons de choro saído das cordas durante a queima. No local, dito da purificação e afastamento dos pecados, Frei Vidal erigiu um cruzeiro e abençoou os moradores.

Geraldo Duarte
Advogado e administrador

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.