artigo

'Vidaversos'

00:00 · 13.01.2018

O título sugere neologismo. Criação de Osmar Maia Diógenes ao batizar seu novo livro: "Vidaversos". Junção de vida e versos para condensar momentos selecionados aos arquivos das relembranças que se não podem perder na erosão do tempo. Foi perfeito o autor na roteirização do seu trabalho de literatura fácil ao alcance de todos. Os versos são sempre cadenciados no compasso do humor, da sensibilidade, da ternura, da crítica para dizer sem ferir suscetibilidades. Livro puro de ideias. Tradução das "conversas" narradas em prosa e versos. Alcance espontâneo da finalidade pensada para um livro ligeiro, rápido nos recados do ontem reavivados nas cores atuais. O escritor sublime nas suas reflexões entre verdadeiras e brejeiras contando atos e fatos do seu viver. Osmar Diógenes consegue trazer seus pais no contexto do seu livro usando a técnica suave de fotografá-los "no meio da fala" de seu escrito em tom de autêntico "bate papo" no tempo das cadeiras na calçada, quando todos os assuntos surgiam de acordo com a verve de cada um. Em "Vidaversos" o leitor lê de um fôlego e consegue ter "aquela vontade" de versejar e também contar suas histórias. O dom de narrar e fazer poesia com a correção métrica rima e todo o esmero para a publicação na medida certa de agradar da primeira à última página foi perfeito no trabalho de Osmar. Após o registro de mais um livro, urge dizer da espera por uma edição mais alentada dos seus valorosos versos de vida longa. "Vidaversos" tem fôlego de ensaio para formatar novo livro, na certeza de um lançamento mais festivo atraindo o público alvo que vem navegando pela internet.

Paulo Eduardo Mendes. Jornalista

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.