Artigo

Sertão virando mar

00:00 · 12.06.2018 / atualizado às 00:05

Grata e festiva Fortaleza recebeu a visita do Frei Vidal da Penha e hospedou-o na melhor casa da vila. O devoto das Dores de Nossa Senhora chegou para evangelizar, rezar missas, fazer sermões, lançar profecias e realizar misteres das Santas Missões. No andejar pela Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí, ao concluir as incumbências, fincava um cruzeiro, nominado Cruz das Almas, como ato de fé.

Mas, das bênçãos, quando descuidado o múnus, advinham reprimendas, excomunhões, maldições ou catastróficas profecias. Inúmeras registraram-se. Do mar, onda gigantesca cobriria a Capital, alastrando-se pelos sertões. Enorme baleia, dormitante nas profundezas da terra, acordaria e provocaria cataclismos. Vários locais tornar-se-iam camas do mamífero. Cidades jaguaribanas seriam inundadas. Icó, onde se sentiu mal recebido, vaticinou transformar-se em porto de navios. Na Rua Velha, distrito de Retiro, Itapajé, arruaceiros com cantigas libidinosas passaram onde se encontrava o missionário. Ele, logo, enxergou o diabo na corcunda de um. Amaldiçoou o logradouro, andou até a barragem de açude próximo e vaticinou: "O Retiro jamais vai passar de retiro". Em Aracati, afora baleia, os presságios eram de que "gafanhotos de ferro haveriam de cruzar os ares" e "cavalos sem cabeça correndo nas ruas".

Dada a desatenção sentida, por sina, a Quixeramobim profetizou submersão e leito do cetáceo. Lendário faz-se que o quixeramobinense Antônio Vicente Mendes Maciel, o Antônio Conselheiro (1830-1897), ao afirmar que "O sertão vai virar mar e o mar virar sertão", fundamentou-se em fado do clérigo.

Geraldo Duarte
Advogado e administrador

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.