artigo

Semana agitada

00:00 · 15.03.2018

A semana passada, em Brasília, foi bem agitada. Relevantes fatos ocuparam a mídia, as atenções dos políticos e a opinião pública. Refiro-me à recusa, pelo STJ, do habeas corpus impetrado por Lula, e a quebra do sigilo bancário de Temer, autorizada pelo Min. Luís Barroso, do STF. Decorrido certo lapso de tempo, os dois temas seguem na pauta, ante as versões reveladas nos jornais, rádios e TVs, deixando o povo atento ao deslinde das denúncias. Até a defesa do ex - presidente do PT, entregue ao jurista Sepúlveda Pertence, ex-integrante do Pretório Excelso, não foi aceita pelos membros do STJ. Perdura a dúvida quanto à pena a ser aplicada ao líder trabalhista, na iminência de ser privado da liberdade, o que constrange os seus correligionários e eleitores. No que pertine ao presidente Temer, o ministro Carlos Marun, da Pasta do governo, tornou-se seu Porta-Voz, criticando a decisão monocrática do magistrado, aglutinando argumentos renovados a cada versão difundida pela Imprensa.

Alega-se que Raquel Dodge, procuradora geral da República, não teria aceito a postulação de um membro da PF que originou a postura do magistrado, tornada manchete e, por isso, objeto de debates nas tribunas parlamentares e no meio político, em Brasília.

Prestes a iniciar-se o período eleitoral, seria melhor que os noticiários fossem menos turbulentos, ensejando a que o ano de 2018 seja algo que solidifique as porfias democráticas.

Obter-se-á o clima de paz e harmonia entre as correntes opinativas, com a consciência atual do fervor democrático. A elevada postura segue requerida pelos eleitores esclarecidos.

Mauro Benevides. Jornalista

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.