ARTIGO

Noite de S. Bartolomeu

00:00 · 10.02.2018

No passado, em meio a nublada Era dos séculos XV a XVIII, era comum haver uma noite no ano dedicada à alforria, à devassidão, à violência, à imoralidade, em suma, a tudo que durante os outros 364 dias e noites do ano eram abomináveis e inadequados socialmente. Nesse período era comum encontrar monarcas bêbados em tavernas, mulheres da realeza fornicando com homens plebeus em plena rua, hordas de homens estuprando mulheres ao bel-prazer, desavenças sendo resolvidas à base de espadas e machados, invasões a propriedades alheias, dentre outras práticas avessas à vida em comunidade.

Foi também nos dias inquietos e cinzentos do século XVI, mais precisamente em 1572, que ocorreu uma das noites mais violentas registradas na história da humanidade: a famigerada "Noite de São Bartolomeu". Essa noite ficou para sempre marcada no registro histórico-antropológico devido ao alto índice de violência acontecida. Em uma nítida intolerância religiosa milhares de pessoas foram assassinadas das formas mais perversas imaginadas pelo homem racional.

A História relata que a quantidade de cadáveres arremessados nos rios era tamanha que visivelmente se enxergava uma contaminação na água, de modo que ninguém comia peixe, ninguém tomava banho, tampouco suportava o cheiro próximo ao local.

Por conta dessas razões insalubres, outros milhares morreram por fome, sede, falta de higiene mínima para sobrevivência, além de doenças virais e bacterianas que se proliferaram por conta dos cadáveres expostos ao vento.

Há dois meses, Hollywood lançou para o mundo uma película intitulada: The Purge, traduzindo para o nosso vernáculo: "Uma noite de crime". O enredo do filme traz o acro sabor da violência praticada por todos os habitantes da Terra em uma noite escolhida no ano. Nesta noite tudo era permitido, sem que o Estado pudesse zelar através de sanções. Não havia leis, não havia autoridades, não havia regras ou condutas morais e éticas, tudo era permitido.

Em ares recentes, sob o intervalo de apenas um crepúsculo, assisti a poucos metros de mim três assaltos com formatos extremamente violentos e ensandecidos. Pergunto a mim e a você caro leitor: será que estamos vivenciando em nosso País, o tão querido e amado solo brasileiro, todas as manhãs, tardes e noites, as antigas noites de São Bartolomeu?

A realidade de "noites de violência"? A condescendência das antigas noites onde pessoas praticavam o avesso do avesso em plena sociedade?Será, caro leitor, que assistimos uma total falência do Estado brasileiro no que concerne à segurança, à educação e à prevenção de crimes? Reage sociedade brasileira.

Roberto Vitor P. Ribeiro. Pres. Da Academia Cearense de Direito

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.