MAIS COMENTADA DA SEMANA

Líder da GDE é preso no CE

00:00 · 14.07.2018
gde
Auricélio Sousa é acusado de vários crimes , além da Chacinha das Cajazeiras ( FOTO: NATINHO RODRIGUES )

Um dos principais fundadores e membro da atual liderança da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE), Auricélio Sousa Freitas, o 'Celinho', de 35 anos, foi preso, na noite de quarta-feira, dia 11/7, na Avenida Desembargador Moreira, bairro Dionísio Torres, em Fortaleza. Conforme a reportagem apurou, 'Celinho' estava em um Corolla, cor preta, blindado. Esta matéria da editoria de Polícia, de quinta-feira, de 12/7, foi a mais lida da semana no Diário do Nordeste.

A prisão foi realizada por uma equipe do Comando Tático Motorizado (Cotam) companhia que pertence ao Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque). A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que, na ocasião, o homem apresentou um documento com a sua foto e nome falso, contudo a equipe sabia de quem realmente se tratava.

Ficha extensa

'Celinho' vinha sendo procurado desde o início deste ano, sob a suspeita de ser um dos mandantes da Chacina das Cajazeiras. Após a captura, Auricélio Freitas foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro de Fátima. Em maio último, a SSPDS divulgou que a investigação relacionada à Chacina das 'Cajazeiras' estava finalizada, mas as buscas continuavam.

Além de Auricélio Sousa Freitas, o inquérito apontou que outros membros da facção ordenaram e organizaram o ataque ao Forró do Gago, são eles: Deijair de Sousa Silva, Noé de Paula Moreira, Misael de Paula Moreira e Zaqueu Oliveira da Silva.

Associação criminosa, homicídio qualificado, tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo compõem a ficha criminal de Auricélio Sousa, que ainda inclui crimes de grande repercussão no Ceará. Além da participação na maior chacina do Estado, que resultou em 14 mortes, ele é suspeito de expulsar dezenas de famílias das suas casas, na comunidade 'Babilônia'. A Comunidade teve sua rotina modificada devido a ameaças feitas em muros, em nome da GDE.

> Leia a matéria completa

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.