artigo

'Intervenção, já!'

00:00 · 15.03.2018

O grave quadro de violência em todo o Brasil teve o seu estopim. Em pleno Carnaval, vimos um Rio de Janeiro entregue à barbárie, sendo decretada uma Intervenção Federal. Entretanto, a situação de caos não é exclusividade do Rio. Basta lembrar que das 50 cidades mais violentas do mundo, 11 estão localizadas no Nordeste. Os números falam por si só. O Ceará apresentou 5.134 homicídios no ano de 2017, mil a menos que o Rio de Janeiro, cuja população é o dobro da cearense. Os roubos no Ceará atingiram a mesma proporção do estado do Sudeste, além de 7.400 armas apreendidas. Embora a Intervenção no Rio de Janeiro tenha sido uma medida inadiável, outras regiões demandam urgência. A guerra entre facções criminosas já bateu à porta de outros estados, acuando a população. Percebe-se, diante do quadro caótico, que a Intervenção Federal não deve se limitar ao Rio, pois outros estados, a exemplo do Ceará, já apresentam um quadro igual, ou mesmo de maior gravidade.

É urgente também a atualização do Código de Processo Penal, atrasada há tempos. É necessário acabar com a máxima de que a Polícia prende e a Justiça solta, que o crime compensa. Presidimos a comissão na Câmara dos Deputados que conduz a elaboração deste novo Código. A proposta busca construir uma legislação que seja contemporânea, encerrando dos recursos protelatórios que geram prescrição e impunidade. O diagnóstico está dado, a atuação deverá vir de várias frentes, a hora do enfrentamento ao crime organizado chegou. O Estado deve se impor frente à crise na Segurança Pública para assim garantir a paz da família cearense.

Danilo Forte. Deputado federal (DEM-CE)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.