artigo

Insegurança

00:00 · 11.05.2018

A humanidade vive, no momento, uma época de incerteza caracterizada pela falta de solidariedade, de espírito público, de entendimento, por um lado, e pelo excesso de individualismo, de indiferença, de radicalismo, de fundamentalismo, por outro. Estes comportamentos nos levam a crises de violência em todos os seus aspectos: guerra, fome, desemprego, dificuldades sociais, desagregação familiar, etc. É urgente a necessidade de ações e programas que promovam e consolidem perspectivas ao povo.

Lamentavelmente, nos dias atuais, a exacerbação do pragmatismo está ocupando espaço das opções ideológicas e institucionais, o que nos confunde e aumenta as dúvidas relacionadas com a existência e a verdade. As manifestações pragmáticas são influenciadas pelo maniqueísmo direita e esquerda, pela ânsia de poder, pelo individualismo e pela ausência de sentimentos espirituais. O Estado existe não para ser opressor nem tão pouco de direita ou de esquerda, mas para assegurar os princípios básicos da democracia. Precisamos nos voltar para o conhecimento das verdades essenciais objetivando alcançar os valores éticos indicadores de um mundo social baseado nos conceitos de justiça e de igualdade de oportunidades.

Uma ideia se destaca hoje nas discussões e debates realizados no mundo: globalização. É importante que ela surja como uma forma de promoção social universal, mediante manifestações não apenas econômicas, mas sobretudo de ordem política e cultural, respeitando-se os direitos humanos e a coexistência pacífica. A globalização não pode ampliar o fosso existente entre nações ricas e pobres.

Gonzaga Mota. Professor aposentado da UFC

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.