Artigo

Ideias: Acesso à democracia

00:00 · 28.05.2018 / atualizado às 00:38

Cláudio Montenegro

Administrador

Dentre todas as mazelas que atrofiam o nosso País a mais perversa de todas é a ação nefasta que inibe o acesso à cidadania e, como consequência, o horizonte de vida das pessoas. É terrível considerar essa premissa, contudo, é a dinâmica do dia a dia que sinaliza nessa direção. E a reversão desse quadro injusto e perverso só será alcançada quando a sociedade puder garantir a milhões de brasileiros, excluídos, educação e oportunidades de trabalho. Esse é o maior desafio que o Brasil enfrenta, agravado nos dias atuais pelo panorama institucional desfavorável. Ele é grande e avassalador, na medida em que a globalização é cada vez mais presente nas relações de troca, cuja interação é fruto do processo de inovação tecnológica. A repercussão sobre as oportunidades de geração de emprego e renda se limita na medida em que as demandas são mais seletivas, fruto de exigências impostas pelo mercado - mercê do fluxo de trocas cujo componente principal se refere à absorção permanente de novos conhecimentos. A produção formal de conhecimentos sinaliza a combinação da educação fundamental, do ensino médio profissionalizante, da graduação, pós-graduação, pesquisa, desenvolvimento e extensão tecnológica, cuja ação se concentra no atendimento das demandas de caráter inovador. Essa ação tem deixado a desejar pela forma como tem sido aplicada - segmentada e insuficiente, comprometendo a qualidade entre as diferentes áreas do conhecimento - segmentos sociais e regiões do País. Urge uma revisão dessa matriz, em favor da cidadania plena, sob pena de aprofundar o fosso que compromete o futuro das gerações.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.