Artigo

Frei Vidal da Penha

00:00 · 22.05.2018

Oriundo da província de São José de Leonise, Itália, o missionário conhecido por Frei Vidal de Frescollero ou Vitale de Frescorello, depois de peregrinações em Rodelas, Bahia, encaminhou-se à serra Baixa Verde, hoje Triunfo, município de Pernambuco, no início de 1803. Acompanhado de índios Cariris, o capuchinho conseguiu a doação de terreno do senhor Domingos Pereira Pita. Ali, fixou morada e fez o aldeamento dos silvícolas. Em novembro daquele ano, concluída a missão, transferiu a responsabilidade do empreendimento para o irmão capuchinho Frei Ângelo Maurício Niza, conterrâneo vindo do Piemonte. Vitale, mais tarde, rumou a Cabobró. Em seguida, destinou-se a Recife e ingressou no Convento de Nossa Senhora da Penha. A partir de então, adotou o nome ritualístico de Frei Vidal da Penha e, como devoto das Dores de Maria Santíssima, deu-se às romagens denominadas Santas Missões. Considerado profeta e paranormal, ante suas vaticinações catastróficas e impressionantes, chegou a ser comparado com Michel de Nostredame (1503-1566), popularmente denominado Nostradamus. Assim, o Nordeste dos séculos XVIII e XIX incorporou mais um pregador sertanista, divulgador de alegorias e crendices, dado o misticismo religioso arraigado nas populações interioranas. Dentre as cidades visitadas pelo franciscano, destacaram-se Recife, Cabobró, Triunfo (PE); Fortaleza, Santana do Acaraú, Ibiapaba, Sobral, Meruoca, Itapajé, Bela Cruz, Crateús, Aracati, Icó e Independência (CE) e São Rafael (RGN). Em seguintes artiguetes, o historiar de alguns dos cataclísmicos vaticínios do vidente.

Geraldo Duarte
Advogado e administrador

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.