artigo

Educação hídrica

00:00 · 12.09.2017

A classe agronômica tem um papel importante no desenvolvimento e nas mudanças de nossa realidade econômica, social e tecnológica, uma vez que de suas atividades surgem alternativas para que a agropecuária possa responder às reais necessidades locais. Nesse sentido, a Academia Cearense de Engenharia (ACE) participa do XXX Congresso Brasileiro de Agronomia, de hoje a 15 de setembro, em Fortaleza. O tema do evento é "Segurança Hídrica: Um desafio para os engenheiros agrônomos do Brasil".

Neste momento de seca extrema, torna-se imprescindível o aprofundamento das pesquisas, visando criar novas variedades de plantas que consumam pouca água e apresentem tempo menor de desenvolvimento e produção, aliando-se a uma maior produtividade e rentabilidade econômica. Nossos recursos naturais devem ser melhor trabalhados, principalmente, os nossos solos, como forma de recuperar as áreas degradadas pela destruição de nossas matas e extinção das fontes de água. Em pleno século XXI, ainda usamos o fogo como preparo do solo e plantamos de morro acima. Os métodos de irrigação precisam economizar água, tempo de uso e serem de fácil aquisição.

Ponto importante no uso da água é a sua democratização, em termos melhor distribuição, pagamento e uso de tecnologias possíveis, por produtores grandes, médios e pequenos. Campanhas permanentes para economizar água, por parte de todos, nos meios rural e urbano, devem ser parte das preocupações das diferentes categorias da nossa engenharia. Portanto, educação de qualidade é a palavra chave que deve orientar todas as nossas ações no setor.

Antônio de A. Sousa Filho
Engenheiro agrônomo

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.