Artigo

Educação familiar e escolar

00:00 · 08.09.2018

Educando a criança, evitamos punir o adulto. E o jovem? Tem que aprender muito com os mais experientes. Com sua formação familiar, profissional, cultural e social. A liberação prematura e ilimitada dos adolescentes nos países que se dizem primeiro mundo tem sido difícil. Pais e professores devem ensinar e educar. Criança e jovem aprendem e se formam.

Os professores são considerados agentes do bem-estar psicossocial, emocional e cultural das crianças e adolescentes. Devem ser considerados, estimados e respeitados. Não existe jovem onisciente, nem onipotente. Aqueles que assim se consideram estão fora da realidade objetiva, sem educação e sem religião.

Os pais têm papel significativo alterando a dinâmica intrafamiliar, interferindo no bem-estar psíquico e social da família. Os filhos passam a apresentar distúrbios do sono, hostilidade reprimida, instabilidade emocional e insuficiência escolar. Os pais devem refletir o equilíbrio e a orientação básica da família.

Erikson aplicou a teoria psicanalítica do desenvolvimento, focalizando não somente as primeiras experiências da criança. Descreveu um mundo mais amplo com a família, sociedade e professores interagindo no contexto cultural da vida, estudando o desenvolvimento na puberdade, ao longo da vida.

Estudos contemporâneos têm dado ênfase especial às relações. Mães emocionalmente afastadas dos filhos determinam distúrbios no comportamento da criança, dificuldade de adaptação social.

Mães indiferentes apresentam filhos tensos e negativistas. A criança apresenta três períodos distintos: protesto, desespero e indiferença. Torna-se então uma criança frustrada. Os estudos da Psiquiatria Infantil se desenvolveram a partir do Século XIX. Lauretta Bender fez importantes observações sobre sintomas emocionais (psicossomáticos). Defendeu a recreação e a livre expressão, advertindo que a completa licença de expressar qualquer sentimento, de liberar indistintamente quaisquer impulsos, poderia levar desintegração do caráter. Froebel, educador alemão que educava uma criança como uma flor, florece melhor quando cuidada por um jardineiro interessado.

Preconizava recreação livre com excursões pelo campo, estudo da natureza e trabalhos manuais, sob orientação de um professor (Kindergarten). No Brasil processos educativos devem se desenvolver e ser ampliados. Evitando um grande número de jovens envolvidos com a criminalidade. Salve a Família, a Escola e a sociedade com formação intelectual e cristã.

JOSUÉ DE CASTRO - Médico, professor e escritor

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.